quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

O Sonho - II




Estava nos degraus da casa da amiga esperando que o ônibus que a traria do centro da cidade chegasse. Enquanto isso, dedicou um pouco mais de seu tempo a escrita do caderno do qual aquela manhã encontrara bom uso.

                Por muito tempo evitei escrever sobre...essa pessoa, sobre o que me faz e me fez sentir sua simples existência. Havia uma espécie de admiração por ele que fazia-me oculta-lo sob um véu de clandestinidade, e de proteção. Eu o protegia, protegia o que éramos ou fazíamos. Só que hoje não há mais nada que sustente essa antiga admiração. O que há é apenas desprezo e ódio, algo corrosivo e que me consome num sentimento negativo que levou tudo o que poderia sentir de bom embora. Não consigo mais ter nada de bom pela pessoa que me fez sentir como eu me senti e ainda me sinto, então, aquela preocupação em protege-lo esvaiu-se como se fossem cartas de um castelo que só agora me dava conta do quão frágil e ilusório era.
                Não tenho mais motivo nenhum para esconder dentro de mim o que possivelmente pode ser a chave para que eu me liberte deste demônio nostálgico, que me revira as lembranças criando terríveis mosaicos oníricos. Escrever deve ser a única solução. E falar talvez...

                Ela termina a frase sem conclusão ao ouvir o estrondoso som do circular que vem a toda descendo a ladeira que leva até o ponto de  ônibus, em frente a casa na qual aguarda.  A amiga salta e se cumprimentam, e enquanto destranca a porta e seguem para cima, ela pergunta como esta e porque não parecia bem quando se falaram mais cedo pelo telefone. Sua boca coça para contar sobre o sonho, mas se falasse teria de explicar muito mais coisas do qual estava disposta. Olhou para o caderno em sua mão e o escondeu na bolsa antes que também pudesse gerar perguntas. A verdade é que a escrita era uma forma muito mais fácil de expor as coisas do que a fala. Com a escrita só precisaria debater com si própria. Então, desta forma percebeu que ainda não estava pronta para conversar com mais alguém sobre aquele caso. Inventou um outro motivo banal de estresse para tirar seu sossego do dia e foram se instalar na cozinha planejando algo para comerem.

***

2 deixaram suas impressões :

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...