Mostrando postagens com marcador Resenhas. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Resenhas. Mostrar todas as postagens

sábado, 29 de outubro de 2011

Kiss Kiss, um livro surpreendente


Roald Dahl ficou mais conhecido por suas histórias de cunho infanto-juvenil. É autor de "A Fantástica Fabrica de Chocolate" e se o vissemos apenas pelo prisma de contador de histórias fantaticas para crianças, certamente ficariamos na dúvida da alcunha de um livro escrito para o público adulto. Cheguei em "Kiss Kiss" (Beijo ou Beijo com beijo), seu livro de contos de 1959, através de indicações recorrentes, em lugares diferentes, sobre o potencial desse livro para a literatura extraordinária e sombria. Nada indicava que fosse um livro de terror ou fantástico. Apenas que se tratava de uma leitura densa, expressiva, da qual os amantes do genêro (fantástico) recomendavam. Muito curiosa pela certa falta de especificação, lá fui eu.

Fato: é difícil classifica-lo. Mas se eu tivesse de fazê-lo, diria ser um livro de contos bizarros. Não, essa idéia talvez remeta ao subgênero do terror, mas também me enganei ai, apesar da abertura do livro nos presentear com um conto com linhas tipicas do horror. É um livro de contos variados, pendendo para cá e para lá, mas sempre com essa intensidade, que se pensarmos bem, é própria das histórias de Dahl. Veja que, sua mais famosa história, sobre a fabrica de W. Wonka, não é uma mera fábula infantil. Ela tem diversas passagens, que se analisarmos bem, são bem pitorescas, nos dando muito o que pensar sobre questões subjetivas. A menina gulosa e esnobe que se transforma numa bola gigante, os meninos curiosos e desobedientes que são transportados para uma outra dimensão e se tornam tão pequenos quanto formigas, as provações constantes a que são submetidas as crianças, num habitat em que já seria difícil de resistir as tentações, e ainda mais quando é uma fabrica tão incomum, tão única.


Roald Dahl é um contador de histórias incrivel. Todas elas são capazes de te deixar com os pelos da nuca arrepiados, pois nos transporta para um cenário e ação de uma forma rápida e certeira, nos deixando, no final, com muito o que pensar. As questões ocultas que Dahl deixa nas entrelinhas é que torna seus contos e esse livro em especial algo muito valioso, e se no inicio eu sofri uma certa decepção por constatar que não se tratava mesmo de um livro de contos de terror, no final eu me senti feliz por ter adquirido uma obra tão rica em significado, que faz, a cada final, sua mente se exercitar, pensando na moral da história.


Recomendado!

domingo, 24 de outubro de 2010

Até o inferno

"Christine Brown tinha um bom emprego, um excelente namorado, e um brilhante futuro... 
Mas em três dias era irá para o inferno."


Um retorno as origens do diretor Sam Raimi (de Uma Noite Alucinante , 1981 e o Dom da Premonição, 2000), após anos envolvido com a megaprodução de Homem-Aranha. Um retorno com um gostinho do tradicional e do clássico.

Arraste-me para o Inferno (Drag me to Hell, 2009) não é um filme excelente, ele tem bastante erros considerados grotescos, como exageros em CG (computação gráfica), discrepâncias na sequencia das cenas (a protagonista é encharcada por gosma e em seguida aparece nem sequer molhada ou suja), efeitos sonoros meio olds, mas, acreditem, é esse conjunto da obra que dá um certo charme a esse longa. Um charme nem um pouco trash.

Para quem gosta de terror é possível sentir esses elementos talvez colocados propositalmente pelo diretor para criar um efeito parecido com os de filmes antigos, que abusavam um pouquinho do exagero (fosse com efeitos especiais ou sonoros ou o suspense do tipo “pular da cadeira”), mas ele acertou na mão. Tem filmes recentes que tentam usar de artificies tradicionais para criar esses efeitos, porém levando isso muito a sério (realmente sustentando a historia sob isso) e não dá certo, o resultado é bem desastroso (estou me lembrando de alguns, mas são tão ruins que não vale a pena nem citar). Raimi fez isso sem pretensões, como se para ver se ainda tinha jeito com a coisa, salpicando a historia com essas referencias clássicas. Ficou muito bom.

Sobre a historia: Eu não botava muita fé no inicio, na verdade a historia segue um rumo mais ou menos predestinado, só não podemos imaginar que vai ser tão ruim pra personagem principal, Christine Brown (Alison Lohman), uma bela e meiga  bancaria que busca uma promoção e para impressionar o chefe (e ficar mais perto de ser promovida) nega a prorrogação da hipoteca da Sra. Ganush (Lorna Raver), uma velha cigana muito sinistra (e, porque não, asquerosa). Quando a senhora ajoelha-se, implorando por ajudar, a garota acaba humilhando-a, desconcertada com a situação.  Ela não podia imaginar que tal confusão lhe traria sérias consequências.
Numa cena bastante forte e frenética, ela é atacada, depois do expediente, pela velha, que lhe toma um botão do casaco e o amaldiçoa (amaldiçoando assim o seu dono também). A partir dai a vida da menina vira um inferno. Não há paz em nenhum lugar que vai e tudo o que faz acaba por dar errado.  Seus infortúnios são de dar dó e asco, além de serem surpreendentes.

Maldições ciganas são barra pesada, mexem com entidades ocultas e poderosas, como o próprio ‘bode negro’, no filme chamado de "Lamia", mas na verdade se tratando do deus oculto Baphomet (aquele costumeiramente usado pela igreja católica para figurar Lúcifer, um ser com cabeça de bode, uma mão apontando para cima, a outra para baixo, mas que nada tem a ver com o anjo caido da Bíblia). Parece até um pouco engraçado a figura literal do bode, mas esse símbolo clássico que poderia soar cafona em longas atuais consegue ter sua magia assustadora ao ser acrescentado em uma trama como a desse filme. Sempre aparecendo indiretamente, através de sombras chifrudas na parede, evidenciado no som de seus cascos pelo soalho, nas batidas categóricas em portas (que só a pessoa amaldiçoada consegue ouvir) e suas manifestações invisíveis de violência (e bota manifestações nisso, com direito a sacudir a moça pelo ar, jogando-a sem dó em todas as direções, quebrando o quarto todo, com a câmera acompanhando o olhar aterrorizado dela enquanto esta suspensa no ar. Nem Atividade Paranormal conseguiu ser tão autentico no quesito “puxão invisível pelo pé”).

Esse filme também foi comparado à obra (e filme) do Stephen King, A Maldição do Cigano (Thinner, 1984 - um livro que não é dos meus favoritos, mas também não é ruim) por ter em comum pragas rogadas por esses forasteiros supersticiosos. No caso da obra de SK, um advogado obeso é amaldiçoado por um cigano após ser inocentado do atropelamento de uma cigana. O sinistro destino do homem é emagrecer. Até certo ponto bom para um homem de silhueta avantajada, porém não tanto quando o emagrecimento não para nunca...

Em Arraste-me para o inferno, a cigana é de dar arrepios, uma figura clássica da bruxa velha que ira atormentar até depois da morte, sempre pegando de surpresa, aparecendo do nada, com sua carranca murcha e sobrenatural. Christine apela de todos os jeitos para se livrar da maldição, e sentimos, ao longo desses três dias fatidicos, até certa pena da personagem, pois a maldição transforma sua vida num caos,  tendo ela que fazer o que nem imaginava possível, e correr contra o tempo atrás das coisas mais funestas, pois Lamia virá buscar sua alma. Literal e pessoalmente.

Destaque para a sequencia em que tentando conjurar o espirito blasfemo, ele passa de um corpo para o outro, em referencias cada vez mais clássicas de historias sobre entidades diabólicas. Primeiro a médium que o recepciona, com risadas e um humor acido de arrepiar. Depois para o bode que, ao tê-lo em seu corpo começa a falar, com olhos quase humanos (brrrr....o bode ficou perfeito) e depois para o assistente que deveria matar o bode com o espirito ruim dentro, mas só consegue fazê-lo passar também para o seu corpo depois de uma bela dentada. Dentro de um corpo masculino ele deita e rola suspenso e dançando no ar, blasfemando sarcasticamente a tentativa de detê-lo (como boas historias do tipo, os demônios gostam de “brincar” com o terror que causam nos humanos, como um gato brincando com a pressa indefesa, antes de lhes devorar).
Somos surpreendidos em até onde a protagonista consegue ir para tentar deter a maldição que se consumará ao raiar do terceiro dia. Quantas escolhas ela deve fazer, o quão bizarra é sua determinação nelas.

E como é muito comum, maldições são difíceis de serem quebradas. Ou você destrói o algoz, ou passa ela adiante, amaldiçoando assim outra pessoa (lembre-se da fita amaldiçoada de O Chamado). Quando Christine leva seu objeto amaldiçoado para dar ele a alguém, somos levados a acreditar que ela irá mesmo se sair bem. Afinal, coitada, ela sofreu o filme todo e quase foi pro saco faltando muito pouco. Mas filmes de maldições (historias de maldições, lembra do A Pata do Macaco e o conto da Lauren Myracle em Formaturas Infernais?) não são dadas a finais felizes. Nada felizes. O que proporcionou um desfecho soberbo nesse retorno básico de Sam Raimi ao gênero que o consagrou.

*  *  *

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Resenha: Formaturas Infernais


Cinco histórias de terror, cinco autoras de sucesso, um tema central: a Formatura no colégio. Eis um grande marco em várias das histórias norte-americanas; Mas e se esse tema já tão exaustivamente abordado, fosse discutido de outra forma? E se a noite do baile não terminasse com a grande dança, o casal perfeito, a noite dos sonhos e seus vestidos de festa, mas com morte, medo, sangue e desordem?

Eis a proposta da coletânea de contos Formaturas Infernais (Prom nights from hell, 2009) que passam por várias vertentes misturando historias de assombração a terror e ação, mistério e romance.

O nome das autoras dispostas na capa mostra uma certa tendência comercial em chamar a atenção para as mais conhecidas na atualidade, Meg Cabot e Stephenie Meyer, logo no topo da lista, porém devo confessar que os contos delas (que abrem e fecham o livro) não me impressionaram tanto, alias, a disposição deles mostra que obviamente queriasse deixar o conto da autora mais popular e aguardada (Meyer) para o final. E o mais fraco (Cabot) para iniciar a trama.
O conto que mais gostei (Lauren Myracle), porém, ficou no final dessa listinha chamativa da capa ^^.

Vamos aos contos:

A Filha da Exterminadora (Meg Cabot)
História de vampiros. Na verdade nos vemos num conto que parece um apêndice de uma história desconhecida, como o legado da exterminadora para sua filha, Mary. Talvez seja e eu não saiba e já fiz muito isso, de escrever um conto originado de uma historia maior e as correlações ficarem evidentes, nem sempre da certo.
Meg escreve de uma maneira bastante coloquial e juvenil, uma leitura fácil e que lembra muito filmes de adolescentes. Dinâmica, mas sem profundidade, sua historia de uma caçadora de vampiros no baile de formatura não assusta ou marca (mesmo que ela esteja caçando o filho do Drácula), é apenas um entretenimento passageiro. A historia escrita pelos olhos de dois personagens principais (um casal) é um artificie interessante, mas sem grandes surpresas.


O Buquê (Lauren Myracle)
Eis o conto que foi renegado ao final da lista na capa do livro, mas como diz o ditado, “Os últimos serão os primeiros”, rs,  e de todos, sem dúvida, esse é o melhor conto do livro, não apenas pela condução da historia típica de um conto de terror, mas por ser o único cujo final não é nada, nada feliz.
Na introdução a autora informa que este conto foi inspirado em um que a assustou quando era adolescente, publicado na virada do século, chamado “A Pata do macaco”, de W.W. Jacobs (anexado no final deste post). Os contos típicos de terror são bases excelentes para historias contemporâneas do gênero e essa não poderia ter sido melhor. Ele todo é permeado por essa aura de maldições antigas, mesmo com uma ambientação juvenil. Me remeteu a muitas outras historias típicas de horror.
E se tudo o que você quisesse fosse que aquele cara que você gosta se declarasse, ou perdesse o medo e decidisse te convidar para o baile? É um anseio normal para a idade. No entanto, o que aconteceria se os desejos borbulhantes da adolescência esbarassem com um artefato mais antigo que os pais de seus pais e tão sobrenatural que seria capaz de realizar tais ambições, porém cobrando um preço tão alto quanto inimaginavel.
Cuidado com o que deseja é o tema central da trama com ares de maldição. O desejo é algo perigoso, pois dependendo da intensidade  e a inadvertida vontade de realiza-lo, podemos estar deixando ao acaso se encarregar da confecção dele, da forma que lhe aprover, mesmo que o preço, no final das contas, nos mostre que não valeu a pena e só nos reste querer que tal coisa jamais tivesse se realizado.

Madison Avery e a Morte (Kim Harrison)
Esse não é um conto ruim, só não me parece um conto. É longo demais. Ele dá a sensação (depois de certo ponto) que estamos diante da introdução de um livro (ou pelo menos um ensaio para a confecção de um romance) e não de um conto. Não, o conto propriamente dito acaba nas primeiras 20 páginas, aproximadamente (das 66 totais), com o final do primeiro (dos quatro) capítulos. Quando findei essas 23 paginas realmente achei que o conto tinha acabado. O final era perfeito para o desfecho de uma historia curta e sobrenatural e se acabasse ali ficaria em 2° lugar como melhor conto (bem, fica de certa forma, pois não elegi um segundo lugar depois do conto da Lauren). Mas não, ele continuou e muito além do que imaginei. Num meio termo eu diria que ele é ruim, mas não, ele conseguiu ser um bom conto nas primeirs páginas e um bom romance nas ultimas, com um gosto irresistível de continuação, de nos vemos no próximo capitulo. Impossivel essa historia ter acabado ali.
E não acaba, rs. Essa era a primeira impressão que tive (e muitos podem ter) e queria registrar, mas essa na verdade é a primeira parte da saga de Madison Avery após se dar mal no baile e ficar no limiar da vida com a morte quando rouba um amuleto do seu algoz., que lhe da o poder de congelar nesse estado não-morto. A continuação esta neste book da Kim "Once dead twice shy" (Uma vez morto, duas vezes timido) sem tradução ainda no Brasil. Sniff....

Salada Mista (Michele Jaffe)
Apesar desse ser o maior conto do livro, ele se fragmenta em vários capítulos e não dá nem para perceber, como o conto da Harrison. Tem o mesmo jeito coloquial e dinâmico da Cabot, porém, com mais consistência. É o mais descontraido da série, bastante jovial. Até certo ponto não sabemos bem o que esperar dele. A história começa narrando eventos finais e desconexos, então somos forçado a imaginar quem eram os personagens em cena e como eles chegaram aquilo...e ainda conseguimos ser surpreendidos em como achamos que sabemos do que se trata depois de certo ponto e nem chegar perto.
A curiosidade desse conto é que ele tem uma ressalva que não o faz ser uma mera historia de adolescente na semana do baile, como aparentemente é, e o encaminha aos poucos a acontecimentos maiores e mais bizarros sem parecer forçado pela temática do livro.

Inferno na Terra (Stephenie Meyer)
Uma interessante historia de seres sobrenaturais infiltrados no meio dos adolescentes, que acabam por se envolver nas garras do romance. Felizmente essa não é uma historia de vampiros, rs. Não é que não goste das sagas vampirescas da Meyer, mas seria bom ler outra coisa que não fosse do universo dos Cullen vinda das mãos dela.
Um sujeito muito boa praça é abandonado por sua acompanhante na noite do baile. Logo temos muitos outros casais em situações parecidas, trocando de pares e criando desavenças e caos. A causa disso tudo é uma demônia que busca subir de nível transformando aquela noite que deveria ser de festa e descontração num pesadelo. O modo como se conduz a trama, os personagens e a forma como o encontro deles faz tudo mudar tem o seu charme, e o final voltado para o romance (e, de certa forma, a salvação através dele) é bem a lá Meyer.

Sobre as autoras
Meg Cabot
Meg Cabot é autora da série best seller O Diário da Princesa, adaptada para o cinema pela Disney. É autora também da série  A Mediadora. Ela divide seu tempo entre Flórida e Nova York, com o marido e uma gata de um olho só chamada Henrietta (os autores e seus gostos por gatos...^^).






Lauren Myracle 
Lauren Myracle é autora de vários romances para jovens leitores, como Rhymes with Witches e os best sellers TTYL e TTFN (infelizmente não traduzidos ainda para o Brasil). Ela vive com a família no Colorado.









Kim Harrison
Kim Harrison nasceu e foi criada no Meio- Oeste americano. Depois de se formar em Ciências, ela se mudou para a Carolina do Sul, onde vive desde então. É autora de Dead Witch Walking, The Good, The Bad, and The Undead, Every Which Way but Dead e A Fistful of Charms (também não vindos para o Brasil).






Michele Jaffe
Michele Jaffe é autora de Bad Kitty, assim como de romances como Bad Girl e Loverboy. Nascida em Los Angeles, Michele mora em Las Vegas com o marido, seu globo de discoteca e um carpete enorme imitando pele de zebra (que excentrica! rs).





Stephenie Meyer
Stephenie Meyer é autora da série vampiresca Crepúsculo. Formada em Literatura Inglesa pela Brigham Young University, ela vive com o marido e três filhos no Arizona.








--------------------------------

Uma palhinha do conto que serviu de inspiração para Lauren Myracle:



A Pata do Macaco
(W.W. Jacobs, 1902)



Lá fora, a noite estava fria e úmida, mas na pequena sala de visitas de Labumum Villa os postigos estavam abaixados e o fogo queimava na lareira. Pai e filho jogavam xadrez: o primeiro tinha idéias sobre o jogo que envolviam mudanças radicais, colocando o rei em perigo tão desnecessário que até provocava comentários da velha senhora de cabelos brancos, que tricotava serenamente perto do fogo.
— Ouça o vento - disse o Sr. White, que, tendo visto tarde demais um erro fatal, queria evitar que o filho o visse.
— Estou escutando - disse o último, estudando o tabuleiro ao esticar a mão.
— Xeque.
— Eu duvido que ele venha hoje à noite - disse o pai, com a mão parada em cima do tabuleiro.- Mate - replicou o filho.
— Essa é a desvantagem de se viver tão afastado - vociferou o Sr. White, com um a violência súbita e inesperada. - De todos os lugares desertos e lamacentos para se viver, este é o pior. O caminho é um atoleiro, e a estrada uma torrente. Não sei o que as pessoas têm na cabeça. Acho que, como só sobraram duas casas na estrada, elas acham que não faz mal.
— Não se preocupe, querido - disse a esposa em tom apaziguador. - Talvez você ganhe a próxima partida.O Sr. White levantou os olhos bruscamente a tempo de perceber uma troca de olhares entre mãe e filho. As palavras morreram em seus lábios, e ele escondeu um sorriso de culpa atrás da barba fina e grisalha.
— Aí vem ele - disse Herbert White, quando o portão bateu ruidosamente e passos pesados se aproximaram da porta.O velho levantou-se com uma pressa hospitaleira e, ao abrir a porta, foi ouvido cumprimentando o recém chegado. Este também o cumprimentou, e a Sra. White tossiu ligeiramente quando o marido entrou na sala, seguido por um homem alto e corpulento, com olhos pequenos e nariz vermelho.
— Sargento Morris - disse ele, apresentando-o. O sargento apertou as mãos e, sentando-se no lugar que lhe ofereceram perto do fogo, observou satisfeito o anfitrião pegar uísque e copos, e colocar uma pequena chaleira de cobre no fogo.Depois do terceiro copo, seus olhos ficaram mais brilhantes, e ele começou a falar, o pequeno círculo familiar olhando com interessante este visitante de lugares distantes, quando ele empertigou os ombros largos na cadeira e falou de cenários selvagens e feitos intrépidos: de guerras, pragas e povos estranhos.
— Vinte e um anos nessa vida - disse o Sr. White, olhando para a esposa e o filho. - Quando ele foi embora era um rapazinho no armazém. Agora olhem só para ele.
— Ele não parece ter sofrido muitos reveses - disse a Sra. White amavelmente.
— Eu gostaria de ir à Índia - disse o velho - só para conhecer, compreende?
— Você está bem melhor aqui - disse o sargento, sacudindo a cabeça. Pôs o copo vazio na mesa e, suspirando baixinho, sacudiu a cabeça novamente.
— Eu gostaria de ver aqueles velhos templos, os faquires e os nativos - disse o velho. - O que foi que você começou a me contar outro dia sobre uma pata de macaco ou algo assim Morris?
— Nada - disse o soldado rapidamente. - Não é nada de importante.
— Pata de Macaco? - perguntou a Sra. White, curiosa.
— Bem, é só um pouco do que se poderia chamar de magia, talvez - disse o sargento com falso ar distraído. Os três ouvintes debruçaram-se nas cadeiras interessados. O visitante levou o copo vazio à boca distraidamente e depois recolocou-o onde estava. O dono da casa tornou a enchê-lo.
— Aparentemente - disse o sargento, mexendo no bolso - é só uma patinha comum dissecada. Tirou uma coisa do bolso e mostrou-a. A Sra. White recuou com uma careta, mas o filho, pegando-a, examinou-a com curiosidade.
— E o que há de especial nela? - perguntou o Sr. White ao pegá-la da mão do filho e, depois de examiná-la, colocá-la sobre a mesa.
— Foi encantada por um velho faquir - disse o sargento -, um homem muito santo. Ele queria provar que o destino regia a vida das pessoas, e que aqueles que interferissem nele seriam castigados. Fez um encantamento pelo qual três homens distintos poderiam fazer, cada um, três pedidos a ela. A maneira dele ao dizer isso foi tão solene que os ouvintes perceberam que suas risadas estavam um pouco fora de propósito.
— Bem, por que não faz os seus três pedidos, senhor? - disse Herbert White astutamente.O soldado olhou para ele como olham as pessoas de meia-idade para um jovem presunçoso.
— Eu fiz - disse ele calmamente, e seu rosto marcado empalideceu.
— E teve mesmo os três desejos satisfeitos? - perguntou a Sra. White.
— Tive - disse o sargento, e o copo bateu nos dentes fortes.
— E alguém mais fez os pedidos? - insistiu a senhora.
— O primeiro homem realizou os três desejos - foi a resposta. - Eu não sei quais foram os dois primeiros, mas o terceiro foi para morrer. Por isso é que consegui a pata. Seu tom de voz era tão grave que o grupo ficou em silêncio.
(...)

Leia o conto na integra: A Pata do Macaco - W.W. Jacobs

Baixe o livro: Formaturas Infernais

segunda-feira, 19 de abril de 2010

Excelencia Bizarra

"Esse filme é uma bosta!". Foi o primeiro comentario que ouvi enquanto os espectadores do filme "Ilha do Medo" deixavam a sala de cinema. Eu dei um risinho pensando....

Esse filme pode ser muitas coisas, até mesmo 'uma bosta', depende do ponto de vista que você aprecie num filme, depende do proposito com que você foi assisti-lo, depende do seu estado de espirito. E se tratando desse filme depende mesmo de muitas coisas.

Gostaria de dizer que ele é um filme bom, mas resumi-lo apenas como 'bom' é muito pouco. O que é um filme que te deixa meio distraido no começo, vai ficando interessante aos pouquinhos, e lá pela metade ja te fez esquecer que estava sentado numa posição meio desconfortavel da fileira, perto do final te faz ficar tão compenetado que você parece ter despertado de um devaneio quando enfim a tela escurece e os creditos finais sobem? É de uma excelência bizarra essa produção do Scorcesse. Não por ser um excelente filme, mas por ter um clima denso, penetrante, uma história tão cheia de reviravoltas que faz você duvidar até de si mesmo. Que me lembram antigos contos de suspense e terror, daqueles que normalmente só encontramos em edições amareladas cheirando a mofo em algum sebo ou biblioteca. Não é nada com muita ação ou propria para chamar a atenção, mas tem uma alma envolvente, movediça. Você se perdia na leitura quando achava que largar o livro era justamente o que ia fazer e quando percebe levanta os olhos meio aturdidos das paginas amareladas com uma sensação de despertar ao chegar na ultima palavra. Shutter Island me deu essa sensação, sensação a muito perdida por uma parte dos espectadores de filmes, que acabam sendo isso mesmo, espectadores, a espera de um espetaculo. Produções densas como essa ficam difíceis de definir, chegar a um concenso sobre seu merito e ainda precisarei assisti-lo uma segunda vez (e quando um filme é realmente digno é quando penso 'preciso assisti-lo uma segunda vez (que poderia ser completado ainda como pensamento não verbalizado: ...só com essa não é possível sentir tudo o que ele tem a oferecer') para poder postar aqui uma analise do filme. Por hora meu desejo era apenas expressar essa sensação pertubadora e fascinante que é muito difícil sentir num filme nos dias de hoje.

sábado, 13 de fevereiro de 2010

Atividade Paranormal

Acabei de assistir (ou saciar minha curiosidade) pelo dito filme mais assustador do ano. Atividade Paranormal (Paranormal Activity, 2009) foi feito com mismeros 11 mil dólares, filmado com uma camera caseira (no estilo Bruxa de Blair) simulando uma filmagem na vida real de um casal que é atormentado por uma entidade maligna dentro de casa. O bafafá sobre o filme foi tanto antes mesmo dele entrar em cartaz, que a bilheteria foi US$110 milhões nos EUA e levou quase 40 mil pessoal as sessões da meia-noite nos cines brasileiros. Boatos (ou papo furado) que o diretor de Poltergeist (que segue temática semelhante de atividades paranormais dentro de casa), Spielberg, teria ficado com muito medo de assistir esse filme, acontecendo, inclusive, coisas estranhas ao terminar o longa. Isso teria influenciado na espectativa em relação ao filme.

Por isso mesmo, acredito que Atividade Paranormal fez esse grande "sucesso" (se bem entendo, sucesso para o mercado cinematografico pipoca e para os cinemas afins é ter um grande publico e não uma grande historia) pela atmosfera que ele ja emanava antes mesmo de ir para as telonas e pela curiosidade do publico em acompanhar uma espécie de 'big brother sobrenatural'.
Acho que já deu para perceber: eu não curti esse filme. Ele é morno, se arrasta demais, os atores não cativam, a historia não deslancha, pouco é aproveitado do que deveria ser o ponto forte do filme. O chamativo "Não assita sozinho" me fez dar um risinho, pois só li esse cartaz após ter assistido ao filme...sozinha. De noite. Brrrrr....Não morri de medo nem nada.
Curiosidade é que ontem estava assistindo ele e de repente acabou a luz (tipicos blecautes de verão). Nem para me botar medo com isso o filme conseguiu. Acendi uma vela, fui pra cozinha com todo mundo já dormindo (ou seja, eu aparentemente sozinha) e fui assaltar a geladeira. Ehehe...
Mas voltando...Vamos ao filme.

Temos um casal, Katie e Micah, que parecem usar seus nomes verdadeiros para dar mais realismo a produção, não sei. Eles moram numa casa muuuito chique (cara, parece um anuncio de imobiliaria classe alta estilo 'sonho de consumo de qualquer um', adimito que em algumas partes eu me interessava mais em olhar para aqueles comodos e mobilia tão impecaveis que pareciam surreais do que na historia em si, ehehe, babei, rs), mas que esta sofrendo com as tais 'atividades paranormais'. Micah, o namorado espertinho (e interesseiro), resolve comprar uma camera e filmar tudo o que puder para ver se capta algo de interessante. Katie não acha a idéia boa, mas sem ela como poderiamos ver essa tranqueira? Rsrsrs...
Bem, dos personagens: a Katie é uma chata. Uma voz enjoada, meio chorosa, irritante. A performance dela é parecida, além do que ela diz parecer não fazer diferença para o namorado. Fisicamente ela me parece uma pessoa normal (não tem aquele jeito de modelo que as atrizes normalmente têm), mas acho que é para contribuir com o realismo. No mais....O Micah...o que posso dizer desse babaca? É óbvio que ele não faz as coisas para ajudar a namorada, mas sim por uma especie de desejo irresistivel de conseguir alguma coisa com as filmagens que faz, uma evidencia de atividades sombrias acontecendo, e quanto mais acontecem, mais ele atiça para que continuem, ignorando o medo da namorada e a advertencia de que aquilo faria as coisas ficarem piores. Que cretino.
A convivencia dos dois só pode ser entendida em um país absurdo como os Estados Unidos mesmo. Por que eles não saem de casa? Criaram uma profissão em que ambos ficam em casa o dia todo (ela estudante, ele compõe em casa (?? que merda é essa??) com aquela guitarrinha que mais parece um adolescente de 15 anos tocando pra matar o tempo...) para poderem ficar jogando conversa fora e filmando bastante inutilidades...

O que eu acho: filmes com temática sobrenatural não precisam ser assustadores do começo ao fim, mas precisam que lhes seja injetado doses de tensão/acontecimentos relevantes/assutadores de tempos em tempos para que não fique maçante. E filmes que usam o recurso do 'metodo caseiro' de filmagem é pior ainda, pois como é necessario estar sempre filmando um determinado ambiente, com determinada pessoa, de maneira quase fixa, e com dialogos também caseiros, do dia-a-dia. OU SEJA, muita coisa, e muita coisa inutil para uma produção de uma hora e 40. Aja saco para aguentar dialogos incessantes, com uma voz irritante como dessa Katie. A coisa não acontece, embora eu compreenda que se trata de um 'pseudo-documentario' supostamente filmado da realidade, isso poderia ter ficado muito, muitooooo melhor.

Assisti mais de uma hora de filme sem perceber e ainda não tinha contecido nada digno de se chamar assustador. Na vedade o que me assutou mesmo foi ver que faltava 25 minutos para acabar o filme e ainda estavamos naquela lenga-lenga. Eu pensei "Como assim, cadê, não vai acontecer nada?!"
De fato, o filme dá uma deslanchada no final (péssima idéia, para os mais impacientes o filme já não teria mais sentido antes de chegar nessas partes finais tensas e seria deixado de lado pela metade), algumas coisas interessantes acontecem com as idéias de Micah (tudo para 'ajudar Katie', aham, a Katie pode ser abdusida pelo demonio que a camera que é bom ele não larga né? rs), como usar o tabuleiro Ouija (que a namorada veementemente proibiu ele de usar, como se ele estivesse se importando com a prudencia dela) que num subito rompante da garota eles deixam sozinho na sala após sairem, com a camera filmando horas de possiveis atividades (que conveniente, porém proporcionou uma cena inusitada), com a seta se mexendo e depois pegando fogo (o fogo me assutou, pois não era previsivel como a seta se mexendo (lógico que ela ia se mexer com a camera ali dando sopa, rara) e me deu alguns poucos segundos de confusão achando que ia pegar fogo na casa (o que seria legal, pois eles teriam que sair daquele confinamento irritante e inexplicavel, mas não dei tanta sorte assim...), ou quando o namorado põe farinha no corredor da casa para ver se apareceriam pegadas, o que de fato acontece, e a melhor cena de todas, com uma sombra aparecendo na porta (porque sera que eles tinham que dormir sempre com a porta aberta?) e depois algo invisivel arrastando Katie da cama pelo pé e depois pelo quarto, que aos berros alucinados na semi escuridão pede ajuda ao namorado enquanto a camera grava tudo. Muito legal, ficou ótima, a única digna de se dizer realmente assutadora.

O enredo é dotado de coisas soltas, levemente interessantes, porém consolidadas com uma massa de inutilidades e chatices do casal, o que matou a pau o tal "você não vai conseguir assistir sozinho, você vai morrer de medo assistindo, blablabla...", eu morri, mas foi de tédio por um bom tempo. Quem consegue morrer de medo com essa trama arrastada que deixa o melhor (que nem é tãooo bom assim) só para o final?
Com situações meio sem sentido como a longa explicação do especialista em fantasmas, para depois não se descobrir nada sobre o fantasma ou seja lá o que for. Com o video sobre exorcismo (brrr....bizarro, mas entra nas coisas interessantes também, não é todo dia que vemos que uma possessão pode fazer uma pessoa literalmente 'se comer', isso não aparece nos filmes que eu ja vi, ehehe), sem saber para que serve (o demonio quer possuir a menina? ele de fato a possui, por isso ela faz o que faz?)??
O final é meio inesperado, e mais inexplicavel do que imaginei. Não chega a ser ruim, ele cumpre o prometido com uma filmagem caseira que não procura dar explicações mesmo e pega apenas o que é possível captar no momento, mesmo que ação esteja acontecendo em outro lugar e possamos apenas acompanhar atraves de sons (mais exatamente por gritos, e para gritar a Katie é boa, não, é sério, os gritos delas são bons gritos para um filme de terror), e acaba subitamente porque o objeto da ação (o casal que filmava) não existe mais.
Mesmo sendo uma produção caseira, poderia ter sido melhor construida, aproveitando mais o ambiente, não só interno (ficou parecendo mesmo um big brother com os dois sempre lá dentro, as vezes com um ar de tédio, sem fazer nada, como se não tivessem permissão para sair) como a parte de fora da casa. As atividades noturnas não foram grandes coisas na maior parte das vezes e ficou tudo muito inexplicavel. Foi como tirar uma fita da caixa e botar pra rodar no cinema só porque tinham algumas coisas paranormais no meio (uma aqui, outra dali a meia hora, outra no final da filmagem...). Fraco. Fraco pelo filme + a propaganda toda em cima dele que gerou uma expectativa enganosa. Assistam se estiverem curiosos, mas se preparem para conter a vontade de avançar algumas cenas desnecessarias ou tirar o som quando a voz da Katie começar a dar nos nervos. Não é um filme ruim, mas esta a milhares de anos luz de ser o tal melhor filme de terror do ano. No way! Para quem gosta do gênero não fez muitas cócegas.

segunda-feira, 12 de outubro de 2009

Apocalipse mais uma vez





Não sou muito chegada a filmes que tem como tema o apocalipse. Pensar no fim de tudo é meio masoquista demais pra mim, ainda mais gastar milhões para fazerem uma produção do gênero. Mas vá lá, dá bilheteria e alguns até tem uma mensagem moral no fundo, como ‘preservem o meio ambiente’ ‘vejam o que vocês estão fazendo com o mundo’, com a onda verde dos últimos anos. Catástrofes naturais causadas pela degradação do planeta é o único gênero que relevo nesse tema apocalíptico, pois são o que mais perto da realidade chegam, nos dando um aviso importante e aplicável. Mas há outros como invasões extraterrestres que só conseguem me arrancar risos, com seu estilo manipulação humana anos 70 (já que a maioria dos filmes sobre o gênero hoje são readaptações de produções antigas e mais bem feitas como O Dia que a terra parou e Guerra dos Mundos). Há ainda os piores, e não sei bem qual a mensagem moral no fundo, com a possibilidade de uma extinção a lá época pré histórica, com um asteróide atingindo a terra (detalhe que ele sempre vai parar em algum lugar dos Estados Unidos, bem, às vezes dá vontade de mandar eles literalmente se ‘explodirem’, rsrs). Mas nesses o governo americano e os super hiper agentes especiais da NASA estão lá para tentarem explodir a coisa no espaço para que ela cause o menor dano possível e salvarem a pátria e o mundo inteiro se curvarem agradecidos a eles. Uruuu!!
Mas de todos os temas apocalíptico, o recente Presságio (Knowing, 2009) com Nicolas Cage me deixou arrepiada. Na verdade não é um filme ruim, mas odiei assisti-lo até o final.


Como dizia Raul Seixas, cada um de nós é um universo e quando nos acabamos esse universo vai junto com a gente. Sim, vamos todos morrer um dia, tudo vai se acabar. Já é ruim o suficiente pensar na idéia de morte, pior ainda é imaginá-la de forma coletiva, como o “EE” (Everyone Else - todo mundo) no final da funesta lista de números do filme que esconde datas, locais e numero de mortes em grandes tragédias. Não seria um fim do mundo gerado pelo homem, por sua matança descontrolada a natureza, por ETs parasitas vindo sabe-se lá de que galáxia, de meteoros gigantes que podem nos colocar numa nova era do gelo, mas pelo simples e puro gerador de toda a vida na terra: o Sol. O que nos dá vida pode tirar. Não gostei nem um pouco de pensar num fim desses, tão simples e ao mesmo tempo tão devastador e inevitável. Dessa vez nem os super hiper especiais agentes da NASA junto com o poderoso governo americano poderiam fazer nada contra uma força tão poderosa e incontrolável. Teríamos apenas que esperar pelo inevitável fim. Credo. Eu poderia ter passado o ano sem pensar numa coisa dessas.



Esse post eu resolvi escrever pois hoje acordei as 3 da manha sobressaltada depois de um sonho apocalíptico envolvendo a merda desse filme (odeio ficar impressionada com as coisas assim) sobre um sol que de repente fica louco e começa a ter erupções gigantescas que podem atingir a terra e nos evaporar daqui. Só nos restava ver as labaredas se aproximando cada vez mais, envolvendo um circulo fumegante num céu enegrecido. Brrr...Cruzes. Não consegui dormir mais, e eu precisava mesmo de uma noite mal dormida e chegar com olheiras no trabalho, aiai.....Resolvi ficar assistindo séries para desencanar, odeio esses pesadelos.



Mas antes, ao invés de fugir da historia, resolvi procurar um pouco sobre a origem desse filme e descobri que ele teve diversos autores e passou pelas mãos de várias pessoas. Não é a toa que o filme parece uma colcha de retalhos, horas parecendo que vai tender para algo cientifico, horas para algo bíblico e um final bastante ruim.



Se dividirmos ele por partes sai um filme bom (como eu achei que fosse), o Nicolas Cage esta deprimente, mas o filho dele é uma graça, seguindo a linha criança madura que não sabe se é o pai quem cuida dele ou ele quem cuida do pai. As cenas dos acidentes são incríveis (a melhor parte do filme alias), o avião caindo revi não sei quantas vezes de tão bem feito e do metrô tira o fôlego. Por causa desses acidentes e da lista de números que viram datas, locais e mortes em tragédias históricas achei que a historia tivesse outro propósito, mas ficou totalmente vago depois, quando somos apresentados ao iminente desfecho. Pra que serviu então toda aquela coisa de mostrar em uma lista as coisas que iriam acontecer se no final não havia nada que pudesse ser feito? (como a sinopse chamativa do filme, que dá a entender que o personagem do Nicolas, depois de desvendar o mistério da lista de numeros, conseguira evitar alguma grande tragédia no final). E qual a relação das coisas que aconteciam com o fim do mundo causado pelo Sol para que fosse feito uma lista tão detalhada com todos esses eventos? Acidentes aéreos, catástrofes naturais são até plausíveis, uma vez que já foi provado que erupções solares podem causar interferência no nosso planetinha azul, talvez não só na atmosfera, influenciando na transmissão de sinais por satélite e sistemas de navegação (como os usados por aviões), como aqui embaixo também (isso explicaria até o misterioso desastre do Air France 447). Mas como explicar outros eventos que nada tinham de naturais, como os atentados de 11 de setembro, e outras atrocidades terroristas e guerras? Teria o Sol influenciado nas idéias malignas de homens também? Aiai, vai entender...Até o último acidente antes do apocalipse nada tem de natural (um trem descarilando).

Abrindo um parênteses, isso me lembra do filme Premonição (Final Destination, 2000) quando ainda era uma idéia original e séria, claro, em que a morte só ia atrás das pessoas que deveriam ter morrido, mas por algum acidente do destino, escaparam. Era lógica, não havia nada que influenciasse ela, mas nos outros filmes a Morte já começa a ter uma cara maligna e vingativa, influenciando o desfecho final das pessoas quase como se fosse um assassino e não algo inevitável. Digo isso, porque essa seqüência de eventos que culminam no apocalipse podia ter sido construída sob uma seqüência que nos fizesse chegar ao desfecho final mais lógico e coerente, como: acidentes aparentemente sem explicação para terem acontecido,  que nos daria no final a idéia de que tudo estava pendendo para essa tragédia Solar, como se ao longo do tempo tivéssemos recebendo pequenos avisos que não entendíamos. Mas do jeito que foi feito pareceu só uma desculpa esfarrapada para chegar a um final que eles não saberiam explicar de outra forma nem com tanto suspense.


Outra coisa sem sentido: O filme tenta dar um enfoque bíblico ao final apocalíptico. Os homens sussurrantes são na verdade anjos selecionando uma nova arca de Noé, já que o nosso mundo esta fadado a destruição total através das labaredas escaldantes do Sol. Porem, se o enfoque era bíblico, como explicar um fim do mundo causado pelo Sol, se no final do capitulo do livro de Genesis, na Bíblia, que fala sobre o dilúvio, o primeiro fim do mundo, Deus diz que a próxima vez que o mundo fosse destruído não seria pelas mãos Dele (e se formos pensar que tudo o que existe no Universo foi criação divina e tudo o mais, como pode uma destruição causada pelo Sol também não ser obra de Deus?)??
E haveria uma nova arca de Noé? Uma nova chance de recriar a humanidade, se a segunda (e talvez última) que Deus disse dar ao homem seria essa que estamos vivendo agora? Bem, não estou questionando as razões religiosas do filme, nem a Bíblia, nem nada (nem religiosa eu sou), mas foi a primeira coisa que pensei (e que ficou) quando vi que o filme estava tendendo para coisas de um fim do mundo envolvendo os 4 cavaleiros do apocalipse e arcas de Noé e questões bíblicas (pelo menos disso eu me lembro da fadada época de catecismo) e tentando seguir um apocalipse descrito pela bíblia, sendo que a linguagem do livro do Apocalipse pode ser bastante simbólica e figurativa, como muitos já tentaram retratar.

MAS, como não sou entendida do assunto, resolvi mesmo é dar uma pesquisada na net sobre possíveis mensagens sobre esse acontecimento na Biblia (melhor do que revirar a mão o exemplar que tenho aqui em casa, rs), não queria deixar minha opinião aqui sem saber se estava certa e fiquei intrigada se tinham mesmo feito confusão quando aos enfoques biblicos no meio de um filme aparentemente cientifico (mas decidi deixar meus questionamentos antes do que encontrei, vai que mais gente teve as mesmas dúvidas).
O que encontrei passa longe do Gênesis e do Apocalipse, esta na Epistola de Pedro, segundo livro, em que no 3º capitulo explicasse que Deus não destruiria novamente a Terra pela força das águas, pois fizera uma aliança com Noé (o sinal da aliança era  um arco no céu, que para minha surpresa, parece ser o arco-iris, que aparece refletindo a luz do sol depois de uma chuva forte, esse é o sinal de que as chuvas não mais serão fortes o suficiente para matar toda a existencia sobre a terra), mas que voltaria um dia para purifica-la pelo poder do fogo "Entretanto, virá o dia do Senhor como ladrão. Naquele dia os céus passarão com ruído, os elementos abrasados se dissolverão, e será consumida a terra com todas as obras que ela contém. " (II Pedro, 3:10). Achei outra passagem num site biblico que não encontrei na Biblia, mas tem a ver com o que foi mostrado no filme: "Deus destruirá a terra pelo fogo mas somente depois da salvação ser comprada pelo Messias e os eleitos serem removidos, assim como Noé foi protegido da ira de Deus." (a destruição pelo Sol, a arca de Noé recolhendo novos herdeiros (ou eleitos) da raça humana para uma nova existencia em outro planeta). Bem, bem, explicado está, mas para quem assistiu o filme, será que ficou claro na hora? E sem essas explicações todas em algum momento vai ficar?


No todo o filme não foi bem construído, já que foi uma história mexida por várias mãos, de vários ritmos e gostos diferentes. Se ele tivesse seguido só um caminho ou só outro teria ficado bom. Talvez saísse um bom filme sobre profecias biblicas com seus 4 cavaleiros do apocalipse. Ou talvez saísse um bom filme sobre um terrível fim descoberto de forma cientifica que deixaria até os mais poderosos impotentes ante a grandiosidade do acontecimento. Seria uma mensagem para dizer o quando nós somos pequeninos diante de toda essa imensidão incontrolável? Bem, eu pelo menos me sinto assim quando tenho esses sonhos pavorosos envolvendo o The End para os Everyone Else. Infelizmente esses eu não posso evitar ver, o inconsciente é bem traiçoeiro, e o que escrevi aqui, apesar das mensagens subjetivas me assustarem um pouco, foi para desencanar de uma vez dessa história, mas pelo menos o que eu puder evitar voluntariamente agora...



Afinal, eu até sou masoquista, mas nem tanto assim. Rs.

quarta-feira, 19 de agosto de 2009

Crepúsculo




Terminei o livro “Crepúsculo” (Twilight, 2008) há pouco tempo e resolvi voltar a assistir o filme, que já tinha visto antes de ler o livro (não sabia que ganharia esse livro um tempo depois, senão teria esperado). A primeira vez que ouvi falar dessa obra foi quando vi o cartaz do filme como papel de parede em um computador da faculdade. Tentei me lembrar de onde já tinha visto a carinha branca de Kristen Stewart e do seu Romeu vampírico. Era de um outro filme bem menos popular da mocinha, mas cujo papel ela desempenhou de forma bastante parecida com a sua Bella, de Twilight. Produzido por um canal de televisão americano (Showtime), Kristen é Melinda Sordino em "O Silencio de Melinda" (Speak, 2004), uma adolescente que perde a amizade de seu grupo de amigas por um equivocado incidente e vive solitária e em silêncio desde então, sem conseguir expressar o trauma que sofreu, sendo culpada e isolada pelos outros. O interessante em ambas as personagens de Kristen é no modo como ela conseguiu dar alma aos papeis de garotas tão deslocadas. Acredito que a própria atriz tenha algo disso. Semelhante também são as suas narrações durante o filme. “Nunca pensei muito em como morreria...” quando Twilight começou com essa narração em primeira pessoa da protagonista me vi com um sorrisinho no rosto lembrando que já tinha visto ela fazer isso em Speak, “O primeiro dia no colégio: Sete cadernos novos, uma saia que odeio e dor de barriga.”
O Romeu vampirico da moça (Robert Pattinson como Edward) eu já tinha visto no Cálice de Fogo, 4º filme da franquia de Harry Potter, como Cedrico Diggory, o vencedor da taça Tribruxo que é morto por Voldermort. Achei boa a escolha, não só pela beleza e palidez do rapaz (seria essa palidez efeitos visuais ou de computação? As vezes não dá para acreditar em como esses atores hollywoodianos conseguem ser tão brancos, rs), mas porque ele tem um aspecto bastante austero e enigmático, que combinou com seu papel sobrenatural, mas não assustador.
Dizem que Kristen como Bella ficou sem graça, que a mocinha não parecia animada para desempenhar a personagem, de certa forma talvez tenha parecido um pouco, mas não acho que foi para tanto, penso que seja devido a essa aura meio deslocada que ela tenha e que faz suas personagens terem um ar meio melancólico. Mas é só uma suposição.
Já no livro, também houve criticas (e essas muito mais ferrenhas) à Bella. E concordo que ela tenha se tornado uma personagem chatinha do meio para o final do livro em que começa a perseguição dos ‘vampiros maus’ atrás dela. Cansativo também era a forma como ela vivia ressaltando o modo como Edward a deixava extasiada, tonta, sem palavras, como ele era lin
do, maravilhoso, perfeito, blábláblá. Parecia que ela estava o tempo todo se rebaixando ante a grandiosidade do vampiro perto dela, o que só serviu para fazê-la parecer uma personagem sem muita credibilidade, isso ficou meio evidente dessa parte ‘meio-fim’ do livro, e tirou um pouco o encanto da cena mais corajosa dela na obra — onde ela vai se encontrar com o bad vamp para o seu ‘sacrifício’ — pois ela mesma já tinha se ridicularizado tanto que não parecia que faria grandes coisas (eis uma cena que ficou melhor na versão cinematográfica, em que, como versão resumida do livro, não a víamos se inferiorizando dessa maneira).
Quando comecei a ler o livro ele era muito semelhante ao filme, até mesmo a narração inicial de Bella sobre sua morte e fiquei um pouco desanimada, achando que leria apenas uma versão estendida do que já tinha assistido. Mas me enganei. O filme é bem editado mesmo, com algumas cenas ‘fundidas’ para que desse para contar boa parte da história aproveitando os momentos marcantes. No livro temos uma série de cenas não aproveitadas, mas que são muito boas e que até mudam a direção em alguns momentos do que foi mostrado no filme. Essa parte inicial do livro me deixava lendo por horas de tão cativante, como o conhecimento de Bella por Forks a amizade incomum dela por Edward — que despertava ciúmes em uns, inveja em outras e espanto na maioria — que aos poucos foi evoluindo para algo mais forte e romântico e não tão rapidamente. O convívio dela com o pai, com os outros amigos. Essa parte simples e romântica da história foi o que mais gostei em “Crepúsculo”, mas acho que Stephanie Meyer não foi muito feliz quando tentou colocar muita ação na história e misturar isso com o romance de Bella e Edward. Só ressaltou o quanto ela se achava frágil e patética perto dele. Essa personagem tinha muito para ser bem mais o que Kristen deu à Bella na versão cinematográfica do que Stephanie deu a ela no livro.

Gostei da história, gosto desses romances que não são só romances, que tem algo mais antigo e sobrenatural por trás. Ambas são boas (livro e filme), cada um a seu modo, o filme com ótimos movimentos de câmeras e musica inspiradora (não parecia que o casal principal estava mesmo no alto daquele imenso pinheiro quando a câmera os filmou por cima?), e sem uma Bella depreciativa. O livro com uma história bem mais detalhada e profunda do inicio da mocinha nesse mundo sobrenatural e fascinante. A idéia de mostrar vampiros diferentes também foi boa, vegetarianos, que tentavam viver como pessoas normais, que podiam até sair de dia, mesmo que fossem em dias nublados, e que não derretem ao sol, mas sim brilham! Rs. Isso mostra que a imaginação tem asas para voar muito além do tradicional e corriqueiro. Mesmo que a autora não tenha acertado na dose da sua protagonista, ainda temos mais 3 livros pela frente para ela dar um jeito nisso.
E afinal, a quantidade de livros que já tem na sequencia de Twilight me parece aquelas franquias ‘lance um livro e fature um filme’ que é o que vai virar. Mas tudo bem, sorte a dela. Rs.
Mas agora que terminei o livro e revi o filme acho que vou ler o livro de novo. Ehehe...

domingo, 26 de abril de 2009

Fonte de Inspiração

A idéia inicial para criar este blog foi escrever sobre coisas que não achava espaço em outro lugar. Meus sonhos, meus desabafos ou minhas impressões sobre qualquer coisa, sobre um filme ou livro, ou outras coisas, boa ou ruim.
Uma delas são os filmes que gosto. Nem todos são daquele tipo que todos achariam bom, mas gostos não são iguais e quanto a eles não se discute (muito, rs). Por ter um gosto não muito comum (bruxas, filmes e jogos de terror, mística e afins...) sempre acho dificuldade em encontrar espaço para comentar minhas impressões, seja no meio virtual, seja entre amigos mesmo.
Bem, vou começar com o primeiro filme com o qual sempre tive vontade de fazer isso e que sei que é pouco (e talvez totalmente) desconhecido, mas que me influenciou muito em muitas coisas que escrevi e se enquadra com aquele tipo favorito dentre os que assisti e que até hoje ainda assisto como se nunca fosse enjoar dele.

Foi em 1999, no auge dos besteiróis americanos, com filmes de “terror teen” como Pânico e Eu sei o que vocês fizeram no verão passado, além de outras imitações piores, apareceu um outro filme que chamava a atenção no cartaz por ser do mesmo autor dessa última tranqueira ai (“Eu sei...”). Esse foi o único motivo pelo qual meu irmão alugou Eu Estou esperando por você, um thriller também de adolescentes e que pela sinopse (enganosa) também pode parecer um besteirol como os outros, mas o fato de ter sido pelo mesmo autor e coisa e tal não o transformou na mesma matéria dos outros, pelo menos para mim.
A sinopse do filme foi feita provavelmente por alguém que não só não assistiu o filme como também queria colocá-lo em evidencia pelos mesmo motivo que fazia os outros terem sucesso: muitas mortes, muito sangue, muito “medo”. Mas diferente dos besteiróis de sucesso, estes elementos “clichês” não faziam parte desse filme e poderiam decepcionar quem o alugou só por este motivo (como lembro até hoje a opinião negativa do meu irmão e quando eu perguntava porque ele dizia “É um filme chato, não tem mortes, não acontece nada.” , eu ria, pois o “nada” para ele era só o ‘não tem ninguém sendo estripado ou decepado ou morrendo das formas mais ‘criativas’ que o cinema pode proporcionar’ e isso podia mesmo ser muito chato para quem só esperava isso desse filme).

Quando fiz uma cópia desse filme para mim, criei uma capinha diferente da chamativa e oficial de locadora e fiz uma sinopse mais verdadeira da história também, que seria basicamente isso:
“Sarah Zoltaine (Sarah Chalke, a Dra. Raid no seriado Scrubs) mudou-se recentemente com sua mãe, Rosemary (Markie Post) para uma velha casa na pequena cidade de Pinnecreast, Massassuchest. A lenda da casa que circula por toda a cidade é que há 300 anos uma garota chamada Sarah, que também viveu lá, foi queimada por bruxaria e como ultimas palavras lançou uma maldição jurando voltar para destruir todos os descendentes de seus assassinos. Agora acredita-se que a nova Sarah seja a reencarnação desta bruxa.”
Se a sinopse fosse só isso numa capa oficial de locadora, provavelmente só os mais interessados iriam querer assistir.

Baseado no romance “Gallows Hill” (não traduzido, que eu saiba, no Brasil, infelizmente) de Lois Duncan, esse filme tem vários elementos inspiradores e encantadores para mim: o clima frio de outono, o céu quase sempre nublado e com aquela sensação úmida no ar, as músicas (ou ritimos) combinando com esse clima, a história de bruxas numa época que este interesse florescia em mim (e que ainda hoje é o melhor de bruxas que já assisti), a sagacidade da protagonista, numa época em que elas eram apenas mocinhas que corriam de assassinos mascarados (embora exista um 'mascarado', ela não corre dele, rsrs).
Uma das primeiras coisas que notei de diferente neste filme foi como ele parece simples e um tanto verídico. Não há aquela “luz de estúdio” — que tira um pouco aquele tom de noite ou de mistério ao lugar — quando o clima é escuro, apenas com a ajuda de uma lanterna é possível ver o cenário durante essas cenas. Isso devia ser mais usado, dá um tom bastante diferente.
Os diálogos mãe-filha também são interessantes, o sarcasmo e a afeição afiados:
“Como foi hoje? – pergunta Sarah à mãe depois de seu primeiro dia como professora na cidade.
—A carinha dos alunos da 3ª série são lindas, um até me deu uma maça pelo meu primeiro dia!
—Nunca é cedo para aprender a arte da puxação de saco. –responde Sarah sarcástica. A mãe a olha aborrecida.
—Hmmm...quando se tornou uma convencida? Quando eu não estava olhando?
A filha dá um sorriso ardiloso ao responder:
—É quando tudo acontece.

Sarah é uma garota de cidade grande (Los Angeles) que se muda para a pequena cidade de Pinnecreast e tem problemas com os habitantes locais, principalmente no famigerado mundo escolar. Com suas roupas diferentes — vestidos longos, toucas, amuletos e cristais, e aquele sobretudo vermelho escuro estiloso — ela chama a atenção do povo interiorano, principalmente as patricinhas locais, que são uma espécie de fabricação em massa, com um estilo basicamente igual, seguida por toda uma classe de pessoas — principalmente os grupos populares ou os que tem a ver com esportes (maioria) que lhes dá uma espécie de status num lugar sem muitas atrações (isso lembra o lugar onde eu moro, rsrs, interior é uma b%¨&$ mesmo...) — além de sua suposta relação com a lenda da bruxa local, que a torna ainda mais alvo da aversão e comentários maldosos.

“A verdadeira maldição de Pinnecreast são as mentes obtusas. Qualquer pessoa um pouquinho diferente tem de ser, sei lá, filho de satã.” – diz Charlie, enquanto passeiam pela cidade, numa manhã ensolarada de outono. Charlie (Ben Foster, o Anjo em X-Men 2) é outro cara deslocado (de Nova York), o nerd da turma, o que sempre será zoado pelos valentões e populares, do qual as garotas sempre rirão. Ele tem uma loja esotérica na cidade e vira amigo de Sarah (por quem tem uma queda a primeira vista) quando ela vai à sua loja comprar algo para melhorar o ambiente pesado de sua casa. Lá ele a deixa a par da história de sua casa:
“Salem (também em Massassuchet) foi muito falada na imprensa, mas também tivemos nossa bruxa. Há 300 anos, cinco homens a arrastaram daquela casa e a queimaram no patíbulo, onde costumavam enforcar os criminosos. E esse local fica bem pertinho do seu novo “lar doce lar”. E quando estava sendo devorada pelas chamas prometeu que voltaria e puniria todos os descendentes um por um. Bem-vinha a Pinecreast, um bom lugar para criar os filhos.”

Mas Charlie não é o único a se interessar por Sarah na trama. Temos Eric (Christian Campbell), que faz parte do “Grupo dos Descendentes”, aqueles que estão na geração amaldiçoada pela bruxa. Ele é o tipo “mais popular entre os populares”, namora a patricinha arrogante da cidade que é a melhor amiga da ‘patricia-mor’ e vaidosa da escola. Logo no primeiro dia de aula Sarah chama sua atenção, ao ler um livro de quiromancia perto dele.
—Ah, leitura de mão...se interessa? – indaga ele tentando um primeiro contato com a garota.

O interesse de Eric é duplo. No grupo dos descendentes, a suspeita é que Sarah seja a tal reencarnação da bruxa que apareceria naquele ano para puni-los. Ao perceberem um certo interesse de Sarah por Eric, usam-no para tentar tirar algo que possa incriminá-la.
"A bruxa que devia voltar esse ano se chama Sarah.
— E daí, acham que eu sou a bruxa?
— O que você acha?"
E ao mesmo tempo, Eric, mesmo namorando a nojenta Kyra (Soleil Moon Frye, a Punky - Levada da Breca dos anos 80) sente uma atração pela misteriosa Sarah, mesmo dividido entre colocá-la em situações constrangedoras (de brincadeiras de mal gosto até tentativa de afogamento) para o bem do seu grupo e ajudá-la, cedendo a sua afeição.

—Mas eu odeio festas! – diz Sarah aflita, após ser convidada a participar como vidente (aproveitando-se da sua fama de ‘bruxa’ na cidade, embora fosse tudo uma brincadeira) em uma daquelas festas estilo americano. Eric a tranqüiliza:
Mas essa...essa você vai adorar.
—Mas eu não conheço ninguém.
—Pois é né...conhece a mim. –depois rola um beijo em close muito romântico seguido de uma trilha que dava um tom sereno a cena e não melosa ou apelativa. Foi bastante simples e bonitinha, com os balões de festa no fundo.
No decorrer da trama as coisas começam a complicar e o que Sarah pensou que fosse apenas uma história do interior que rondava pelas redondezas, começou a se tornar mais sério e perigoso do que ela imaginava.

“Acham mesmo que uma bruxa velha de 300 anos invadiu o meu corpo enquanto eu estava...dormindo, para levar vocês do clube dos descendentes para a morte? É isso mesmo que acham?” – indaga a garota desesperada depois que as coisas começam a se voltar contra ela. As pessoas começam a evitá-la e a trata-la mesmo como uma bruxa:
“Alho, seus idiotas, é pra vampiro! Não acreditam? Perguntem a Buffy. Ninguém aqui assiste televisão?” – numa alusão ao seriado da famosa caçadora de vampiros Buffy (curiosamente também uma “Sarah” Michelle Gellar).
“Problema de adaptação? Não ser escolhida para a comissão de festas é que é um problema de adaptação. Mas ser acusada de assassinato premeditado e feitiçaria. Isso sem falar do meu envolvimento com incêndios. Eu acho que a coisa é um pouquinho mais complicada!” – irrita-se a garota com o seu professor de história quando este tenta contornar as brincadeiras de mal gosto feitas contra ela na escola (como a bruxinha de brinquedo com uma risadinha maligna deixada próxima a ela com um bilhete dizendo “Queimem a bruxa!”).

Esse é um filme diferente. Pode ter ares de beiteirol para alguns, mas ele conseguiu me tocar no intimo com todos os elementos dos quais eu mais gosto, me envolvendo como nenhum outro conseguiu fazer. Além disso, de certa forma eu me identificava com a protagonista, que aproveita as horas sem a mãe em casa para fazer coisas que você só consegue fazer quando está sozinho, por mais bobo que seja, como colocar a musica que quiser para tocar, imitar uma cantora sedutora no espelho e fingir que a vassoura na verdade é o microfone e o par de dança (deslizando pelo soalho de meia? Referência a clássica cena de um jovem Tom Cruise em Negócio Arriscado (1983)), ou o modo como ela se questiona sobre si mesma "Tenha coragem Sarah, é uma experiência de crescimento interior, todos devem aprender a nadar. Vai ser útil no futuro. Se é que existe um futuro." - murmura ela refletindo sobre o fato de não saber nadar enquanto caminha ao redor da piscina.

É um filme para quem gosta de bruxas, mas também para quem gosta de originalidade e uma pitada de sarcasmo numa protagonista que não correrá de um mascarado, mas, antes de mais nada, tentará sobreviver no meio da hostilidade adolescente sendo ela mesma. Não é um contra todos como os habituais filmes da época. É todos contra um.

"Quanto a Sarah Lanchaster? Bem...ela voltou. Porque promessa, é dívida."



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...