Mostrando postagens com marcador Making of. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Making of. Mostrar todas as postagens

domingo, 1 de abril de 2012

Crônicas da Fantasia

Eis um dia estou eu a navegar a esmo sem procurar nada em especial. Não lembro como, mas um link me levou a outro link e quando vi já tinha caido numa pagina da Editora Literata cuja imagem multicolorida e os desenhos simples de crias fantasticas me chama atenção. A chamada era diferente da que eu estava acostumada a ver. Desta vez não eram contos o objetivo da antologia anunciada e sim crônicas.
Crônicas....


Um dos encantos das crônicas é refletir sobre nosso cotidiano. Acontecimentos que vivemos, momentos que deixamos passar, pessoas que entram e saem de nossas vidas… E sobre o que ocorre no mundo da Fantasia? Alguém já se preocupou em pensar e escrever sobre isso?

A antologia Crônicas da Fantasia é um reflexo do mundo de nossos sonhos e pesadelos, um apanhado de fatos que nos fazem repensar sobre as atitudes e os pensamentos de criaturas nem tão diferentes de nós, e que no final, nos fazem observar a nós mesmos.

Afinal de contas, o mundo da Fantasia não é o mesmo para todos, e em cada um, acontecem muitas coisas a todo tempo e em variadas proporções. As crônicas fantásticas mostram como não estamos sozinhos no universo, e que sempre tem algo que nos surpreende." (chamada publicada em Outubro/2011 no site da editora)


Fui imediatamente fisgada pela proposta diferenciada. E tão já o tema me enfeitiçou, a idéia surgiu como as brumas esverdeadas da linda imagem que ilustra a capa, livro e cada crônica. Eu sabia bem o que iria enviar para concorrer.

Meu tema favorito sempre teve a ver com seres que carregam algum tipo de maldição, castigo ou arrependimento. Anjos e demônios permeiam os primordios da minha escrita e sempre serão personagens queridos, embora já tenha me embrenhado na exploração de outras figuras misticas. Mas dessa vez quis voltar ao tema de origem e contar o lapso de um dia díficil para um ser mitico que tem de viver no mundo dos homens. Foi aqui no blog que seu esqueleto foi gerado pela primeira vez, num fim de tarde furioso há tempos atrás. Veio de um desabafo no qual usava a metafora do anjo caido para expor meu deslocamento e frustração pelo cotidiano. As crônicas "Mestiças" são na verdade, páginas avulsas que voam quando os ventos se tornam impetuosos e é dificil conter a dor que os humanos causam uns nos outros. "Mestiça" porque existe este momento em que o humano se torna distinto desse lado quase sobrenatural de nós mesmos numa ruptura turbulenta, e ao mesmo tempo de se racha, descobre-se que não há como se separar totalmente, mostrando como somos mesclados e por vezes indefinidos. Nos tornamos 'mestiços', nem humanos nem criaturas. Até mesmo o texto se torna 'mestiço', sendo crônica, sendo desabafo, espichado, se explicando por si só.


Juro que não imaginei que fosse ser escolhido. Só de enviá-lo eu já me sentia de certa forma satisfeita, pois aquele desabafo, depois de rebuscado e narrado numa crônica de fantasia, parecia ter encontrado um proposito além da simples narração de uma angustia particular. Escrevê-lo sob o fundo musical (inspirador) de A Distance there is... dos noruegueses Theatre of Tragedy (escutem se puderem, aqui, além do post que fiz sobre a mesma, pois é simplesmente uma canção primorosa), em que a introdução, com sons de chuva e trovões me transportava para as ruas da ação da crônica e o lirismo da composição ditava a dor e melancolia dos sentimentos expressados no que eu escrevia...foi uma terapia e eu já me sentia bem de ter dado essas asas negras a este desabafo para que pudesse voar.

Mas eis que recebo a alegre (alegre mesmo) surpresa. Ele fora escolhido, dentre 130 inscritos, para estar junto de mais outros 16 autores selecionados num livro de crônicas. Uau!


Estar contente é pouco, eu me senti realizada. Consegui escrever um gênero literário que ainda não tinha explorado à sério (a crônica), consegui escrever um texto breve, o que no meu caso é para lá de complicado, pois sofro do mesmo mal de Stephen King ("elefantiase literária" rsrs), inseri neste texto o tipo de criatura fantastica que mais gosto e que esta nas minhas origens literárias e transformei um desabafo de uma tarde turbulenta na (oficial!) crônica Mestiça.  Demorou um tempo para cair a ficha de que, sim, era isso mesmo.


Um pouco sobre Crônicas da Fantasia

A antologia foi organizada pelo gaucho Cristiano Rosa (com quem divido espaço na antologia da Ed. Estronho "Quando o saci encontra os mestres do horror"), que é escritor/poeta e professor, e já publicou no livro Imagens & Letras 2 (2007), da Universidade Feevale, em O Segredo da Crisálida (2011) e Moedas Para o Barqueiro – Volume II (2011), ambos da Andross Editora e organizou a antologia Ventos Poéticos (2011), pela Editora Literata. Ele  mantém coluna sobre leitura no blog Litteratus e administra blog sobre literatura fantástica chamado Criando Testrálios. A belissima arte exposta atualmente no site da antologia e em breve nas paginas do livro, é de autoria do designer Renato Klisman.


Sinopse:

Um livro que fala sobre as criaturas mágicas, mas não por meio de simples contos, e sim com textos que levam o leitor à reflexão e ao pensamento de que mesmo não sendo humanas, elas são mais parecidas conosco do que imaginamos.

Os autores apresentam produções com os mais diversos seres: vampiro, fada, sereia, troll, ceifeiro, fauno, saci, zumbi, gnomo, feiticeira, anjo, elfo, sátiro, centauro, dragão... que levarão os leitores a mundos nem tão distantes assim do nosso, porém encantados e com cotidianos mágicos.


Lendo as crônicas da obra, podemos perceber e sentir a magia de cada criatura, se divertindo, se emocionando e se envolvendo com as narrativas, pois a visão delas sobre os mundos da imaginação refletem o nosso próprio universo.
 

Os 17 selecionados para Crônicas da Fantasia:
  • A louca que gritava na ponte, de Bruno Anselmi Matangrano
  • A primeira página, de Jefferson Reis
  • A viagem, de Nilo Gadioli
  • Cegueira, de Daniel Cavalcante
  • Desilusão, de Veridiana Ghesla
  • E se os zumbis viessem a existir?, de A. S. M. Spindler
  • Em plena sexta-feira, de Adriano Villa
  • Labirinto de concreto, de Alex Bastos
  • Memórias, de Camila Araújo
  • Mestiça, de Verônica Freitas
  • Namorado?, de Raquel Rosas
  • O desejo do fauno, de John Lennon Smith
  • O pior olhar da criatura, de Tânia Souza
  • O vendedor de balinhas, de Luiz Teodosio
  • Quando as sereias tornaram-se mundanas, de Lucas Borges
  • Satírico, de Daniel Gruber
  • Só por hoje, de Marcia Gomes

Além deles, ainda farão parte da obra textos do organizador e dos convidados:
  • Para onde vão as fadas quando crescemos, de Cristiano Rosa
  • O centauro e as flechas de luz, de Douglas Eralldo
  • Campeonato de beijar sapos, de Ana Cristina Rodrigues
O lançamento será dia 28 de abril, no evento 1ª Odisseia de Literatura Fantástica que ocorrerá em Porto Alegre. 



Curiosidades:

A idéia de uma antologia de crônicas fantasticas já me era bastante criativa, e ainda me surpreendo cada vez mais com o capricho dedicado desta obra. No site da antologia foi lançada a publicação, em todos os dias impares de março/abril, de um trecho de cada crônica selecionada e uma imagem (belissima arte, alias, e além disso, eu adoro verde!!) referente a crônica. Lindo e bem feito é pouco para definir este trabalho.

Eis a da minha crônica: 


Que chuva! Como os humanos conseguiam viver no meio daquele caos armado que é uma cidade, lá pelo fim da tarde, quando todos, ao mesmo tempo, resolviam fazer exatamente a mesma coisa? Onde estava a ordem? Como eles conseguiam se entender?"

--------------------------------------------------


O restante delas esta na pagina oficial de Crônicas da Fantasia, clique aqui para conferir os outros talentosos trabalhos (tanto dos autores quanto de arte).

O organizador também disponibilizou uma degustação da obra para quem quer dar uma conferida antes de abril. 

No mais, organizador, artistas e a Editora Literata estão de parabéns pelo trabalho. Fico ansiosa aguardando o lançamento do livro (que conincide com a semana do meu aniversário, que presente maravilhoso de se ganhar!! ^_^), e em tê-los em mãos.

Um abraço à todos! 



quinta-feira, 22 de setembro de 2011

MAKING OF dos meus contos - VII Demônios (LUXURIA)

It's strange what desire will make foolish people do...
Wicked Games - cover HIM



Em prosseguimento ao Making of dos meus contos na Editora Estronho, faço um parenteses para dizer que muito feliz participo de mais duas antologias da mesma, uma que queria muito (muito) participar e outra que nem esperava (e peguei o bonde andando de ultima hora) fazer parte, mas me deixou igualmente feliz. São a Ira de VII Demônios, ultimo livro da série dos 7 pecados e Quando o Saci encontro os mestres do terror, sobre folclore brasileiro.

Mas hoje falarei do segundo livro que participei da série dos 7 pecados da Estronho, o VII Demônios.


LUXURIA (ASMODEUS)


Pois é, eis outro conto bem inesperado. Eu tinha uma idéia inicial, mas no final o conto foi sobre outra coisa. Eu ia escrever sobre um jovem padre que é tentado por uma criatura sobrenatural (que acabei usando em outro conto que posteriormente submeti a outra seleção, mas não foi escolhido). Estava esperando chegar perto do mês para envio do conto, quando a coisas ficam mais ‘quentes’ (entenda-se: quando o prazo começa a acabar, a inspiração vai ficando mais ativa, mais urgente, eheh), mas ai li uma coisa no chat sobre a antologia, o pessoal falando desse tema e que ele podia ser escrito em duplas pelo teor dele. Eu já sabia disso, mas algo no meio da conversa me fez lembrar de uma coisa interessante que tinha acontecido dias antes. E o start veio.

Eu não tinha um ‘parceiro’, mas tinha tido um sonho e isso era quase como ter uma co-autoria. Onirica, eu sei, estronho mesmo, ehehe!

Como explicar isso: não dá pra explicar, é abstrata demais a idéia, mas foi isso mesmo! Eu resolvi usar um sonho que tivera poucos dias antes e que, no momento, soou-me apenas curioso, irônico. Mas ele tinha as nuances que eu precisava para um conto de luxuria, se eu o moldasse a rigor. E foi o que fiz. A idéia foi instantânea e resolvi mudar meu conto de ultima hora.

E deu certo. Talvez se eu escrevesse sobre a ideia original, para este tema, a coisa não ficasse do jeito que ficou, com a intensidade que ficou.

Foi um conto que vibrei ao saber que fora escolhido para participar da antologia, fora escrito com a intensidade que o tema pedia e a espectativa possuia a mesma ansiedade e desejo. Ele também refletia um certo amadurecimento meu nessa coisa de escrever contos, pois nao era meu forte (não sei se já é, porém, antigamente eu nem passava perto) e foi uma história bem mais dilapidada, que tem a nata da idéia, com cenas que foram cortadas, porém, não exatamente. Digamos que expressar essas cenas que não apareceram na história oficial em algum momento no papel me deu mais seiva para injetar no que ficou na versão final, enquadrada no limite estabelecido pela editora.

Essa história também possui uma série de simbolismos, seja com minha história de vida, seja com imagens do pecado em si e de seu demônio. O cenário é uma escola, ambiente que há muito queria por num conto de terror. O início se passa no final da tarde, periodo que certo ano na adolescencia estudei e que fora o mais privilegiado em se tratando de clima e historias de terror. No final da tarde, os corredores eram banhados com aquela luz alaranjada do crepusculo, num breve intervalo em que as luzes ainda não estavam acessas e o silêncio era profundo. Ninguém tinha coragem de ir até o banheiro nesse horário, pois dizia-se que as luzes se acendiam sozinhas e a loira do banheiro poderia atacar. O cenário do sonho foi esse ambiente escolar hostilizado e não podia ter sido mais apropriado. O conteudo dele pendeu de flertes a situações incestuosas, que me ajudaram a construir uma narrativa que foi inusitada até para mim. A escola se chama Clemente Azevedo, Clemente pelo autor  Clemente Pozzenato de "O Quatrilho", livro que li na mesma biblioteca em que se passa a ação inicial do conto (claro que ela descrita de forma bem maior que a original) e que se constitui de uma história igualmente inusitada, esta de adultério, um dos meus livros favoritos. E Azevedo pelo sobrenome de um grande amigo meu. A tatuagem do galã cafageste da trama foi um dos pontos chaves para que eu ligasse o sonho a idéia do conto. O Ás de Espadas representa, no baralho do tarô cigano, o naipe das paixões violentas e viscerais, os confrontos e tragédias causadas por desejos carnais. Além, claro, de ter em sua figura espetada para cima a ideia clara de um falo, rs.

Minhas inspirações musicais, além das classicas trilhas de Silent Hill, estavam em composições que tinham um quê apimentado, insinuantes. A voz do Lenny Kravitz sempre me lembrou esse tipo de ritmo, de modo que ouvia muito "Fly Away", além da soturna "Glory Box" do Portishead e da versão hard de "Wicked Games" do HIM, que adoro!


"O amor floresce à luz de velas e de conversas. A luxuria é igualmente feliz em vãos escuros e em taxis e sua conversa é feita de grunidos e gritos animais." (p.16)
O trecho é de um livrinho que li da Coleção Sete Pecados Capitais (2004), da Arx, cujo tema da edição Luxuria é esplanada pelo filosofo britânico Simon Blackburn de forma histórica e investigativa. Fora uma leitura bastante interessante para que o tema luxuria ficasse mais, digamos, 'limpo' da simples ideia de sexo que inicialmente tinha. Vemos a concepção de sexo desde os tempos remotos, entranhado em tabus, mitos, religião e arte, até visões atuais, onde a liberdade e a censura ainda encontram terreno fertil para se confrontarem, se envergonharem ou serem elevados a uma lei natural da humanidade.

Eis um trechinho de degustação do meu conto (que, devido a escrita de quase última hora, não teve um titulo tão criativo assim, colocando apenas o cerne da questão): Senhora da Luxuria.

"Foi buscar suas coisas no armário dos professores, bufando, bloqueando a mente para a vozinha impertinente, a lhe lembrar o quão puta estaria sendo se cedesse aos seus desejos. Queria encontrar alguém, e ter uma desculpa para abdicar ao convite, mas não surpreendeu-se ao ver tudo quieto, vazio. Era a única que ficava durante o crepúsculo. Enquanto revirava seus pertences na bolsa, ouviu um gemido. Achou ser sua imaginação perturbada com a quantidade que já ouvira só naquela semana, mas ele se repetiu, mais intenso. Arrepiou-se, olhando ao redor, tentando localizar a fonte. Não vinha de fora.
Andou silenciosamente, ouvindo-o brotar de algum lugar da sala de professores. Viu a porta de mogno fechada e foi o último lugar que imaginou ser a fonte. A porta da sala da diretora."

 (...)




--------------------------------------------
Os autores selecionados, com os quais compartilho esse volume:
 
Autora Convidada: Ana Cristina Rodrigues (De Pequenas Apostas e Grandes Tentações)
Selecionados: Adrianna Alberti (Nos braços da Tentação), Agostinho Rodrigues Torres (Nunca Suspire ao Lado de Demônios), Alliah (Morgana Memphis Depois das Gungirls), Ana Carolina Silveira (O Último Dia de Sodoma), Carlos Genauch/Simone Procheira (Persuasão), Gabriel M. Hamdan (As Crianças de Bristol), Ghad Arddhu (Cutelo de Prata e a Questão de Dandara), Gisele G. Garcia (Inocente Devassidão), Lemos Milani (H. Willians Hill), Ramon Bacelar (Síndrome de Fuseli), Raphael Montes (A Doce Jekaterina), Raphael O. Lord (Volúpia), Verônica Freitas (Senhora da Luxúria), Victor Meloni (Ressurreição)




domingo, 31 de julho de 2011

"Making of" dos meus contos - VII Demônios (GULA)

Continuando os meus Making of, ou por onde tudo começou...(sim, eu sou viciada nessa coisinha de bastidores, ehehe), o tema dessa vez dos 5 livros dos quais participo da Editora Estronho é a série VII Demônios.

Peculiar essa série da Estronho. Quando eu comecei a reparar nela, já tinha se passado o primeiro tema (Inveja) do qual seria um dos que eu gostaria de escrever. Mas tem coisas que demoram a serem ‘vistas’ e o potencial da série dos demônios só me chegou aos olhos de forma interessante quando eu passei a entender a proposta: pecado + demônios. A idéia girava em torno dos 7 pecados capitais, associados aos seus 7 demônios. Os pecados deveriam ser retratados, tentando isola-los dos outros (um desafio!), utilizando-se dos demônios respectivos, mas não era necessariamente uma obrigatoriedade. 


Mas eu, tendo meu gosto pelo terror amadurecido por criaturas bestiais do universo de Spawn, não podia ignorar uma chamada dessas, nem a oportunidade de me utilizar (não, me esbanjar) das crias do inferno, de modo que usei cada respectivo demônio nos meus contos.

E lá se vai mais uma vez o ponto mais importante: pesquisa. A Estronho dava um parecer breve sobre os demônios que estava por trás de cada pecado, segundo o demonologista e teólogo Peter Binsfeld. Fui atrás de historias sobre os bestiais, suas características, tirando pontos chave para permear a historia, que não devia ser muito longa, de seus detalhes cruciais. Assim como também me embreei pelo universo de cada pecado do qual trabalhei e descobri muita coisa subjetiva neles, que eu nem imaginava que poderia representa-los da forma que fazia. Era um jogo de interpretação, remetido desde os tempos mais remotos, até nossa infausta era atual. Mesmo que eu não escrevesse sobre o tema, me foi muito interessante saber tanto sobre eles e enxergar seu potencial.


Bem, no inicio, eu criei alguns “pré” conceitos dos 7 temas, dizendo quais eu me interessava e quais eu não conseguiria tirar nada de bom para escrever. Leigo engano. Mais uma vez o desafio de contos me ajudou nessa parte, mas dessa vez não foi por ser um tema incomum. Esse, de longe, é o tema que mais perto esta dos meus gostos. Mas pelas particularidades deles poderem me atrair ou não num primeiro momento.

Eu disse assim: “Os pecados que eu não acho que conseguiria escrever muita coisa: Gula, Preguiça, Luxuria”, era como se estivesse prevendo algo, minha própria sina em me contradizer. Rs.


Pois, foram os 3 temas no qual resolvi escrever e fui selecionada. Ah-ah.


O primeiro livro: GULA

  GULA (BELZEBU)


Um conto inusitado. O prazo dele estava junto com o da Inveja, mas eu perdi o fio da meada para fazer o primeiro conto e comecei a olhar a Gula do mesmo modo que se olha um doce curioso na vitrine que num primeiro momento você repudiou por uma cor berrante ou por parecer excessivamente melado, mas, depois, voltando a ele, você começa a perceber que ele tem detalhes que podem ser melhores do que a sua primeira opção e talvez até um gosto mais original. 

De inicio eu só cogitei a idéia. Tentando varrer minha mente em busca de algo que se encaixasse com o tema, me lembrei de uma historia antiga que tinha escrito, na verdade, de um acontecimento numa historia escrita há muitos, muitos anos. Me deu um lampejo. Era um tempo em que escrevi muitas coisas baseadas em contos de fadas e fábulas, pois, nas manhãs de domingo, meu pai insistia que eu assistisse um programa que passava na TV Cultura chamado “O teatro dos contos de fada”. No inicio fiz isso relutante, mas depois comecei a gostar, principalmente por ele desmitificar aquelas historinhas amaciadas que os estúdios da Disney nos enfiam na cabeça quando somos pequenos, e conhecemos contos de fadas somente através de historias cheias de açúcar. Esse não, as encenações eram como um teatro mesmo, pessoas reais, um cenário, e uma historia verdadeira. Nele, a Ariel da Pequena Sereia morria no final e nem era tão boazinha assim, e a Bela da Fera na verdade foi refém do monstrengo por um bom tempo, após ele ameaçar de morte seu pai; o Flautista mágico levou as crianças, como atraia os ratos, para outra dimensão, sem que sem pais nunca mais voltassem a vê-los. Era a real das historias, que na época, eu ainda desconhecia, e gostei muito de ser apresentada a essas versões originais.

Uma das historias que escrevi na época baseada em tais fabulas, foi um acontecimento envolvendo o mito de João e Maria. Os irmãos que para não se perderem na floresta, deixam migalhas de pão pelo caminho, e acabam na casa da bruxa má, que tem uma choupana feita de doces e que aprisiona João, para engordá-lo e depois comê-lo.

Casa de doces...comer Joãozinho...gula...era isso!


Só que coloquei tudo elevado ao extremo. Os sentimentos humanos deformados, os desejos, as vontades irracionais. Pois a Gula não tem a ver apenas com comida, ela é um estado de insatisfação desmedido, que se reflete em vários atos, além da refeição convencional. Pode-se querer se alimentar de conhecimento, assim como também do desespero, ou de almas.
Não foi proposital, mas as primeiras palavras que escrevi dele foi durante meu intervalo de almoço, na cozinha do meu serviço. Rs. Ao terminar a primeira pagina, olhei ao redor e pensei “Que lugar inspirador, rs”.

Eu não esperava que ele fosse ser aceito, por alguma razão, o achei pesado. Também não foi de propósito, para ter nuances tépidas suficientes para agradar, mas acho que fui envolvida em seu clima mórbido por conta própria e a escrita se tornou tão densa quanto o tema. No final, era como acordar de um baquete do diabo e me surpreender com o modo como me fartei, e de como a cozinha estava toda suja de sangue. Uau...sai meio tonta de lá, mas não sem antes deixar o feito nas mãos interessadas. O que iam fazer depois, eu já não sabia.

Gostei muito de participar deste volume com A Filha do Mal e desentranhar algumas facetas de Baal-zebu.

Inspirações musicais para o tema dos VII Demônios é sempre muito parecida: tirando algumas composições especificas, eu uso quase todas as musicas da trilha sonora do Silent Hill, desde o primeiro jogo (1 ao 4 "The Room") até os mais recentes (Origins, Homecoming, Shattered Memories). Elas são simplesmente soberbas para quem gosta de escrever terror. Akira Yamaoka é meu guia musical nos escritos do gênero.

Um trechinho de degustação de A filha do mal:

"Ele jogou-a sobre uma mesa e pelo cheiro pérfido, aquele era um verdadeiro matadouro. Sentia o sangue fresco no qual deitara encharcando suas roupas, fez uma careta de asco, mas nada comparado ao terror que sentiu em ver a criatura com braços humanos, mas um corpo semelhante a uma mosca gigante. Tentou gemer, debater-se, mas todas suas ações tornaram-se inúteis diante da gelatinosa sensação em que estava imersa."
(...)


Algumas inspirações musicais mais fortes:
A Stray Child - (Akira Yamaoka in Silent Hill 3) 
Searching the Past (Akira Yamaoka in Silent Hill Shattered Memories)
Max Payne OST (Marlyn Manson) 

---------------------------------------
Os autores selecionados, com os quais compartilho este volume:
Amanda Reznor (Tributo a "El-Rei"), Claudia Zippin Ferri (A ficha criminal da juíza), Fabiane Guimarães (O devorador de almas), Ghad Arddhu (Banquete de Maná e oração à unificação), Lemos Milani (Bon Gourmet), Lino França Jr. (O voo da mosca), Marcelo Augusto Claro (Abismo visceral), Marius Arthorius (Beelzebub carne vorare), Raphael Montes (Banquete), Valentina Silva Ferreira (Condenado), Verônica Freitas (A filha do mal) e William Nascimento (Um pequeno pedaço do paraíso).






segunda-feira, 4 de julho de 2011

"Making of" dos meus contos - Cursed City

Irei começar pelos contos selecionados pela Editora Estronho este ano.
Já são 5 livros nos quais tive a oportunidade de participar. Mais do que imaginei possível a algum tempo. Nossa! Mas esta editora, que tem um leque bem variado de antologias, para mim é como uma casinha de doces, na qual posso me fartar com os temas que, outrora, eu não encontraria com tanta facilidade para escrever e ainda ter a oportunidades de ser publicado.

Bem, pensei em escrever um pouco sobre o processo de criação de cada um deles e das coisas que me inspiraram a escrevê-los, além do meu próprio gosto natural pelo terror. É, é, eu sou daquela que gosta de umas notas no final do livro, de um “making of” estilo “veja de onde saiu essa ideia louca”, rs.


O primeiro (e mais aguardado) livro foi:

Cursed City – Onde as almas não tem valor

A primeira vez que vi a chamada dessa antologia, foi através de uma amiga, que me mostrava a nova seleção da Estronho. Eu vi e pensei “Legal, bem original essa”, mas não tinha a intenção de escrever num primeiro momento. Pensei que velho-oeste não tinha nada a ver comigo, e dessa forma, me passou batido o tema.
Porém, com o tempo, eu fui gostando da ideia de escrever sobre coisas que nada tinham a ver comigo, principalmente por causa do desafio de contos que passei a fazer parte com duas amigas blogueiras (Celly e sua irmã, Yane), instigando a escrita de temas incomuns aos nossos gostos. Então comecei a olhar Cursed com outros olhos e me perguntar: Porque não? Foi então que a primeira centelha desta história se acendeu e o resto, um caderninho rosa que eu carregava comigo terminou de contar, rs.

Eu queria inspiração, mas não apenas isso. Estava inspirada com a possibilidade de me embrenhar por um tema diferente, porém, assim como nos contos do desafio, o primordial nesta etapa não é apenas querer escrever a historia, mas saber sobre o que se irá escrever, e ai começa o trabalho de pesquisa.
Eu sabia que tinha alguma coisa entre os quadrinhos aqui de casa, era só fusar e fusar, que sairia alguma coisa, e achei aquelas velhas edições em preto e branco e de capa rosa das Historias do Oeste. Havia apenas uma edição aqui chamada Sand Creek. Foi o suficiente para começar. Sua primeira página foi o estopim, alias. Mostrava a perspectiva de um abutre rondando algo que lhe atrai o olfato. A cena começava bem do alto, dos cânions:

“O abutre, junto com o coiote, é o varredor das zonas desérticas. Como todos os animais de rapina diurnos, é dotado de visão aguçada...”.

Depois a cena acompanha a descida da ave carniceira, mostrando o que ela rondava, até a perspectiva cair na cena do homem no chão, ainda vivo. Esta cena não só me deu uma ideia de como começar meu conto, como a estrutura dele: Começo descrevendo o ambiente de forma ampla, e depois vou afunilando os acontecimentos, até me deter em algo bem especifico, que irá conduzir o resto da trama, da mesma forma que os quadros da revista.

O conto em si começou a ser escrito na cidade de Ouro Branco, em MG, nas minhas férias de dezembro, quando para este estado fui, visitar amigos. Esta cidade tem uma grande serra e as ruas uma peculiar poeira vermelha proveniente do minério extraído, e um jeito de lugar bem pacato.  A poeira me lembrou o deserto, os cânions, o Golden Valley, então...peguei o caderninho que havia trazido na mala e comecei...quando terminei a viagem, em Belo Horizonte, fui à sebos atrás de revistas de Western e voltei com algumas boas inspirações e indicações (salve o Edificio Maleta e o Anderson da revistaria na Rua da Bahia!).
Também não consigo escrever sem música, sem ter algo inspirador ao fundo me impulsionando. Não foi de todo fácil achar musicas de velho-oeste que se encaixassem com o tema sobrenatural, mas descobri boas canções que tinham nuances soturnas e se encaixaram perfeitamente em Cursed City. Ennio Morricone foi o principal, com “Esctasy of Gold” (Metallica que me perdoe, mas essa ficou bem mais no tom do oeste que eu precisava), “Come Una Sentenza” e “Armonica” (ou “Era uma vez no oeste”), essa última com um som lembrando gaita que arrepia até a alma. Também usei muito o oboé de Grieg em “Entardecer nas Montanhas” nas cenas em que Anabelle agoniza, bem sombria essa musica também. 

Como tema, eu não conseguia imaginar outro: vingança. E imaginava isso sendo feito de um modo incomum, algo que pudesse aliar um sofrimento humano e um revide sobrenatural, na mesma pessoa. Uma vez que, quem entrasse em Cursed City, provavelmente não conseguiria sair, que essa pessoa, pelo menos conseguisse seu ‘troco’, mesmo que precisasse deixar sua alma a mercê das sombras.

No final, eu estava, diferente do começo, com muita vontade de participar. Tinha gostado muito de escrever essa historia, e quase estourei o prazo, porque não conseguia me decidir pelo nome do conto! Rsrs, de inicio, pensei em “A vingança dupla” ou “A vingança de Maniah”, mas um nome súbito me acometeu, e pensei na ideia que queria passar...então o intitulei como “Deixe-me Entrar”, que, segundo algumas pessoas, ficou legal. Ainda bem! E depois foi roer as unhas esperando o resultado, que recebi com muito contentamento e alivio. Rs.

Aqui vai um trechinho de degustação.

“(...) Anabelle sobressaltou-se, embora não pudesse mover o corpo. Sentia como se todos seus ossos tivessem sido esmigalhados e seu rosto colado ao chão. Gotas de sangue escorriam por dentro de seu olho, mas ainda conseguia move-lo lentamente. Mas nada viu. Só sentia a presença e o medo.(...)”


Tem uma frase do Stephen King no final do livro Tripulação de Esqueletos (1985) que gosto muito:
“Obrigado por acompanhar-me – eu gostei. Eu sempre gosto. Espero que tenha chegado são e salvo e que voltará – porque, como diz aquele curioso mordomo, naquele singular clube de Nova York, há sempre mais histórias”.

---------------------------------
Os comparsas com os quais tive o prazer de dividir os alicerces desta cidade amaldiçoada:

Xerife prefaciador: Adriano Siqueira

Bandido Convidado: André Bozzetto Jr. (A balada do coyote)

Os Procurados: Alfer Medeiros (O gigante, a curandeira e a lutadora de kung-fu), Alliah (Just like Jesse James), Ana Cristina Rodrigues (Aquele que vendia vidas), Carolina Mancini (Número 37), Chico Pascoal (Duas lendas), Cirilo S. Lemos (Por um punhado de almas), Davi M. Gonzales (Ainda dói?), Ghad Arddhu (Oricvolver), Georgette Silen (A mão esquerda da morte), Jota Marques (As desventuras do pequeno Roy), Lucas Rocha (O fantasma de Franklin Stuart), M. D. Amado (Nem sempre a fé te salvará), Marcel Breton (Sombras), Romeu Martins (Domingo, sangrento domingo), Tânia Souza (Demônios da escuridão),  Valentina Silva Ferreira (Sally), Verônica Freitas (Deixe-me entrar), Yvis Tomazini (Só o dinheiro dos mortos) e Zenon (Descanse em paz).

Continuo em breve com os outros livros.

***

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...