segunda-feira, 28 de março de 2011

Páginas de um caderninho vermelho II


O mundo da escrita.

Tem coisa mais solitária (e prazerosa) do que escrever? Escrever e ler é como manter um caso de amor consigo mesmo, ou com algo tão intimo e particular, que só você sabe a língua, a chave para entrar. Mas é a única solidão que tenho apreciado nos últimos tempos, pois se tornou um oficio também e essa palavra me remete a algo afagador. Oficio é como exercer aquilo que realmente se gosta, como colocar em suas mãos o que esta em sua alma, em forma de trabalho, de algo concreto. Oficio me lembra de quando as pessoas podiam fazer aquilo que realmente gostavam, sem temer o amanhã, algo que tanto, tanto queria pra mim. Ter feito a faculdade que queria, estar exercendo uma função que faz jus ao que realmente amo, e não algo totalmente as avessas, que me frustra diariamente, que me deixa com uma sensação de inutilidade, de mãos atadas. Estar me embrenhando pelo mundo da escrita de forma mais realista tem me feito um bem que jamais poderia imaginar que faria.  E eu quero mais, mais, pois sair dessa realidade inexorável se tornou minha droga favorita. Parece ruim comparar algo que tanto amo com uma droga, é como se fosse uma fuga, um escape, mas é, só que não da forma ruim. Quando termina minha viagem eu estou melhor do que comecei, e quando os resultados dela são positivos (como tem sido, nos últimos tempos), ai então, me da ainda mais coragem para continuar. Tem sido a coisa mais real da minha vida nos últimos tempos, a que mais bem tem me feito, mesmo que para alguns ainda seja só uma brincadeira que me deixa varias horas (ou dias) imersa e concentrada, meio off ou só falando disso. É a minha brincadeira favorita, é um hobby que tem, aos poucos, se tornado coisa séria. Para os que não veem isso ainda de maneira concreta, eu gostaria de deixar claro: Essa é minha vida, minha paixão, meu oxigênio. Tente tirar isso de mim, e estará me tirando o que de mais precioso tenho dentro de mim, e no momento, tudo o que tenho de meu, de autentico.  Numa vida tão limitada, tão imposta de limites e regras, acho que eu tenho esse direito, né?

(Revoltada! rs) 

Selo: Desafio Leitura Nacional

Mais um adorável selo no blog, dessa vez presenteado pela querida This Gomez, do blog Canto e Conto, autora da série de contos Ar de Evasão (o primeiro deles na antologia da qual participamos, Beijos e Sangue, organizada pela Jossi Borges) e outros escritos com escrita leve, envolvente e dinâmica! Muito obrigada This!

Esse selo vem com um Meme. Ta lembrado daquele caderno de perguntas da época da escola? Se ja respondeu um desses, vc sabe o que é um 'meme', é como uma versão atual e bem mais elaborada e madura dele, um post que traz uma ideia, disseminado de modo que outras pessoas possam responder sobre o mesmo assunto, dando seu ponto de vista. Pronto, pra quem não sabia o que era um Meme, agora da pra dar um tapa, rsrs. Esse é especial e bem interessante: é sobre questões de literatura brasileira. Então vamos a ele:

1 - Quanto livros nacionais há na sua estantes?
Eita nóis sô! Vamô lá que essa é meio difícil viu, minha bibliotequinha ta aumentando, mas, infelizmente, ainda não tem o tanto de autores nacionais que queria (mas isso tem mudado nos ultimos tempo), já num sei quantos livros tenho (acho que da ultima vez que contei tinha uns 70), mas de nacionais em localizei 31:

1 - Sete Ossos e uma maldição (Rosa Amanda Strausz)
2 - O Vampiro de Cada um (Martha Argel)
3 - Beijo Descalço (Leonardo Leon - comprado num sebo de BH)
4 - Contos (Machado de Assis)
5 - Dom Casmurrro ( " " )
6 - Memórias Postumas de Brás Cubas (" ")
7 - Quincas Borba (" ")
8 - Memorial de Aires (" ")
9 - Helena (" ")
10 - O Quinze (Raquel de Queiroz)
11 - Irmão mais velho, Irmão mais novo (Vários - coleção Vinculos)
12 - Clarissa (Érico Verissímo)
13 - A volta do Gato preto (" ")
14 - O Tempo e o Vento ("  " - coleção completa)
15 - Capitães da Areia (Jorge Amado)
16 - Espumas Flutuantes (Castro Alves)
17 - Inocencia ( Visconde de Taunay)
18 - Memórias de um sargento de milicias (Manoel Antonio de Almeida)
19 - O triste fim de Policarpo Quaresma (Lima Barreto)
20 - O Ateneu (Raul Pompeia)
21 - Os Sertões (Euclides da Cunha)
22 - Índia - da Miséria a Potência (Patricia Campos Mello - usei no meu TCC)
23 - Veronika Decide Morrer (Paulo Coelho)
24- A Marca de uma lágrima (Pedro Bandeira)
25 - A Droga da Obediencia (" ")
26 - O Mistério dos MMM (romance policial escrito por vários, entre eles Jorge Amado, Raquel de Queiróz, Guimarães Rosa....)
27 - Verão no Aquário (Lygia Fagundes Telles)
28 - Coleção para Gostar de Ler - Vol 4 Crônicas (Rubem Braga/Drummond/ Sabino/ Paulo Mendes Campos)
29 - Um Certo dia de Março (Lucília Junqueira de A. Prado)
30 - O Noviço (Martins Pena)
31 - O Vendedor de Sonhos (Augusto Cury)

2 - Quando e qual foi o ultimo livro nacional que você comprou?
Olha, eu fui numa feirinha de sábado, dessas bem populares, que as pessoas colocam uma manta no chão e expoem o que querem vender, vulgarmente chamada de 'feira da barganha'. Eu fui em janeiro e tava atrás de livros mesmo, e achei um senhorzinho vendendo qualquer um por 1 real! Fiz a festaaaa, ahaha! Mas da compra, o que mais gostei de achar foi Verão no Aquario, da Lygia Fagundes Telles.

3 - O que achou dele?
To adorando. Ela tem um jeito todo especial de escrever, descrevendo cenas através de pensamentos e lembranças, muito bom! Uma curiosidade é que quando abri o livro, vi que a antiga dona tinha escrito seu nome e data (1974), e que ela era mãe (ja falecida) do meu antigo chefe, num estágio que fiz (que sempre fora muuuito nostalgico com ela no tempo em que trabalhei com ele, tanto que dava até vontade de tê-la conhecido). Uma senhora duma coincidencia (mas não vou devolver o livro não, ahaha). O livro tem ainda algumas anotações dela (parece que ele fora usado durante um curso, pois o nome da turma ainda está no livro), e me sinto meio como o Harry Potter com o livro  de poções do "Principe Mestiço"  no Enigma do Principe, rsrsrs. Isso só o torna ainda mais especial!

4 - Entre os nacionais que ja leu, de qual menos gostou e qual mais te surpreendeu?
Hummm, nesse ponto eu concordo com o que a This respondeu no dela. Como escritora, a gente sabe a barra que é escrever, a dificuldade pelas quais passamos, e ultimamente não tenho conseguido ver um livro dessa forma, apenas desgostando dele. Mas da minha coleção, se tem um que não apreciei muito foi Veronika Decide Morrer, do Paulo Coelho. Não tenho muita sorte com os livros dele, acabo pegando historias, esperando coisas diferentes e acho que por isso me desaponto (ainda tenho que aprender que o gênero do PC não é o gênero que estou pensando, rsrs),mas também porque ele me proporciou alguns constrangimentos enquanto o lia (rsrs), pelas pessoas associarem o nome do livro a mim (Verônica) e acharem que eu estava numa fase depressiva querendo me suicidar (kkkkkkkkk). Nada a ver, claro! (apesar do meu visual não ajudar mto, pois era meio gostica nessa época, rs), eu comprei ele mais por causa da curiosidade com o nome (um erro que não pratico mais nos dias de hoje, rsrs, pra não acabar falando mal de um livro só pq ele não tinha a ver comigo).

Agora surpresa...já li autores massas, tipo Euclides da Cunha (me surpreendi em como amei Os Sertões) e Graciliano Ramos (Vidas Secas), mas tem um livrinho fininho na minha coleção (e mesmo antes de estar nela ja me era favorito) que eu achei maravilhoso, chama-se Sete Ossos e Uma Maldição da Rosa Amanda Strausz, jornalista, formada na UFRJ. É um livro de contos de terror infanto-juvenis, mas que pode ser lido por qualquer idade, e sem duvida, arrepia dos pés a cabeça. Eu achei que não ia gostar, por ter essa tematica mais jovem, e saber como é historias de terror para adolescentes (normalmente com uma pitada meio comica, ou leves demais), mas ela...puxa, ela superou todas minhas expectativas, e no primeiro conto que li, numa versão digital, eu fiquei tão arrepiada (eu fui ler no escuro, no silencio da madrugada, achando que tava de boa por ser livrinho juvenil, ahaha, cai do cavalo) que tive de parar e procurar o mais rapido pra comprar. Cada conto é como um desse causos que a gente ouve, e nos deixa com um arrepio na espinha e eu adoro esses contos tipicos de terror, daqueles meio 'contos da fogueira'. Soberbo!

5 - O que acha que falta aos autores nacionais para que a barreira do preconceito dos leitores seja vencida?
Mais divulgação, mais incentivo. Que parem de nos colocar como ultimos da lista, como escrita alternativa, como se ser brasileiro nos fizesse de alguma forma 'autores amadores'. Ultimamente tenho visto a literatura nacional com outros olhos e penso que minha estante vai ficar ainda mais cheia deles. Temos de nos prestigiar, antes de prestigiar os de fora ;-)

6 - Cite 3 (ou mais) livros nacionais que espera ler em breve.
A Vida como ela É (Nelson Rodrigues, to atras faz tempo, alguém ai se habilita a me presentear, (ehehe, cara de pau!)?)
FC do B 2 (contos de ficção cientifica da Tarja, quando fui comprar, ficou indisponivel (ohh azar viu >_<), to esperando voltar a loja)
Steampunk - Historias de um passado Extraordinário (varios, da Tarja também, ja adiquirido, to aguardando chegar ^^)
(mais)
Felicidade Clandestina (Clarice Lispector, peguei emprestado, mas não tive tempo de ler mais do que dois contos, quero de volta!!)
Adorável Noite (Adriano Siqueira, o Lord dos vampiros)

7 - Indique 5 blogs para este desafio.
I - A CANETA SELVAGEM (Yvis Tomazini)
II - ALTERNATIVOS E INDEPENDENTES (Jossi Borges)
III - CONTOS DE VAMPIRO (Adriano Siqueira)
IV- FRAMBOESAS NO JARDIM (Carolina Mancini)
V - MASMORRA DO TERROR (Lino França Jr.)

sexta-feira, 25 de março de 2011

A Hora do Planeta

"Vamos usar esses 60 minutos de escuridão para ajudar o mundo a encontrar a luz."  
Ban Kimoon, secretário-geral das Nações Unidas, sobre A Hora do Planeta.

            A Hora do Planeta (Earth Hour), é iniciativa da rede ambientalista WWF, que nos convida a participar de um grande ato simbolico de conscientização sobre o aquecimento global: Durante 1 hora (60 minutos), o mundo todo apagará suas luzes em prol da preocupação com as mudanças climaticas. O apoio à iniciativa conta com pessoas, empresas, comunidade e governo e já se tornou um sucesso na sua quinta edição.

          Entre 20h30 e 21h30 do dia 26/03, o planeta é convidado a apagar suas luzes. O evento, que percorerá o globo em 24 horas, começa nas Ilhas Fiji e Nova Zelandia, até reacender no arquipelago de Samoa, no Oceano Pacifico  (ambas as ilhas ficam no ponto extremo do globo, também conhecido como International Date Line - Linha internacional de mudança de data, 'linha imaginaria' que corta o globo, onde oficialmente mudam-se as datas). Segundo o site da WWF, a Rússia será o país cuja Hora do Planeta percorrera trajeto mais longo: serão 11 fusos horários a apagarem as luzes dentro de seu território.

             Dessa vez o evento cresceu, e ganhará um número recorde de participantes, com mais de 130 países. Além disso, a rede ambientalista pede mais: que individuos, empresas, comunidades e governos extendam o desligamento das luzes para além dos 60 minutos. Para isso, foi criado um programa online em www.earthhour.org/beyondthehour, onde serão registradas e mostradas ações com as quais as pessoas e organizações de todo o mundo se comprometeram.  
             Segundo a WWF, países da Africa que prometeram ir além da hora, plantarão mais de 100 mil arvores. Na China, "todas as 83 cidades da parte continental do país que participam da Hora do Planeta prometeram ir "além da hora" e fazer "uma mudança" em prol do planeta.  A cidade de Xangai vai criar mil hectares de novos espaços urbanos verdes. Em Chengdu, o governo municipal distribuirá 60 mil bicicletas nas áreas centrais da cidade e criará mais de mil estações para aluguel de bicicletas".    

             Além das residencias em milhares de cidades do mundo, veja alguns dos edificios e monumentos que estarão colaborando com a Hora do Planeta:

            "A Torre Eiffel (Paris); a roda gigante London Eye e o relógio Big Ben (Londres); o edifício do Empire State (Nova Iorque); o prédio em formato de vela gigante do hotel Burj Al Arab (Dubai); o castelo da Alhambra (Granada/Espanha); a estátua do Cristo Redentor e os Arcos da Lapa (Rio de Janeiro); a Acrópole de Atenas (Grécia); o Portal da Índia (Nova Délhi); a Grande Mesquita do Sheik Zayed (Emirados Árabes Unidos); e o teatro da Ópera de Sydney (Austrália). 
           Quatro dos cinco edifícios mais altos do mundo também terão suas luzes apagadas. Só a Torre do Califa (Dubai) tem meio milhão de pontos de luz. 
          Durante a Hora do Planeta, também serão apagados os holofotes de monumentos naturais espetaculares, como as cataratas do Niágara (entre Canadá e Estados Unidos) e as cataratas de Vitória (entre Zâmbia e Zimbábue, na África), e a barragem de Itaipu (Brasil) assim como a Montanha da Mesa (Cidade do Cabo/África do Sul).  
          Residências reais e presidenciais, castelos e palácios no Peru, Tailândia, Suécia, Madagascar e Honduras também terão suas luzes desligadas.  A maior unidade residencial africana, uma propriedade conhecida como Gwarimpa Housing Estate, em Lagos (Nigéria), também participará.
          Este ano, o apoio ao evento cresceu na África, Oriente Médio, Ásia Central e nas Américas, onde um grande número de países aderiu pela primeira vez à Hora do Planeta. Entre eles estão a Jamaica, Uganda, Suazilândia, Irã, Tadjikistão, Chade, Azerbaijão, Palestina, Suriname, Gibraltar, Uzbequistão, Trinidad & Tobago, Lesoto e Líbano". 

         Durante a Hora do Planeta em todo o mundo, as midias online estarão participando também, seja com divulgação, colaboração ou união. O You Tube, por exemplo, exibirá uma página personalizada do ato, onde se poderá clicar em um interruptor e escurecer a página.  

Mais informações, acessem: A HORA DO PLANETA

Eu já comprei as velas. E você, o que pretende fazer na hora do planeta?

;-)


sábado, 19 de março de 2011

Selos de Presente


Ainda não tive oportunidade de agradecer publicamente a amiga Celly Monteiro, do blog A Fantasista, pelos selos que me presenteou nos ultimos dias. São eles: Blog Necessário e Stylish Blogger Award.


É muito gratificante receber tal lembrança e consideração da amiga escritora. Devo a ela um tanto da coragem de sair da gaveta, que ha muito ficou naquela escrivaninha velha, jogada num canto cheia de pó. Ao ler um dos meus textos e se interessar por ele, me fez também dar novos ares a muita coisa que tinha dado como morta, rs. Acabei descobrindo nela uma parceira literária, que habitava o mesmo mundo que eu, assim como compreende a língua que falo e as terras por onde viajo, traduzindo o que nem imaginava possivel em palavras. Indentifico-me muito com ti amiga, e agradeço-te não apenas pelos selos, mas pela amizade e parceria!
Uma ressalva: também recebi esse selo do amigo e blogueiro Yvis Tomazini, do blog A Caneta Selvagem, que se lembrou do meu blog dentre os que indicou e ainda o destacou entre eles, muito obrigadão viu colega!! ;-))


Bem, o selo Stylish Blogger Award tem algumas regrinhas, lá vamos nós (mas se não puderem ou quiserem segui-la, FIQUEM A VONTADE, beleza minha gente! :-D, é pura brincaderia isso daqui! Digo ainda para não levarem a NET a sério, mas sim as PESSOAS, são elas que valem nosso tempo e consideração, por isso fiquem a vontade para seguirem a regra que quiserem no final das contas p q todos fiquem satisfeitos  ^^!): 

- Ao receber o selo deve-se repassar para quinze outros blogs. ( hmmm, vamos ver se consigo achar os 15 sem repetir alguém que ja o tenha recebido. (dias depois...) Resultado: não consegui, eheh, azar! O povo gostou mesmo assim, então ta valendo!)
- Indicar sua postagem para esclarecimentos. (Como esta, colocando as 'regras'.)
- Comunicar aos 15 escolhidos com um comentário em seus blogs.
- E incluir no seu post 7 coisas sobre você (ou 7 coisas que você esteja com vontade de falar, vai! rs).


Eis a parte difícil, agora devo dizer 7 coisas sobre mim (aiai, estava quase fugindo dessa, rsrs), como sou muito prolixa, preparem-se (ehehe):

1 - Farei 24 anos mês que vem , depois dos 21 eu parei de contar minha idade daquela maneira de antigamente (arg! hoje eu prefiro nem pensar mais...), sou paulista, moro em Aparecida, 'capital da fé', há 15 anos, porém não é dos lugares que mais amo nessa vida (bem, pouparei-os de meus singelos adjetivos sobre esta cidade e o quanto eu 'gosto' dela, rs). Nasci na cidade vizinha, Guaratinguetá, em 1987, e fui batizada como Verônica. Um amigo contou-me, como curiosidade certa vez, que a variação grega do meu nome era Beronique. Achei tão bonito que passei a usá-lo como pseudonimo na internet.

 2 - Minhas primeiras inspirações com o mundo fantastico veio apartir dos 6 anos com os filmes: Alien O Oitavo Passageiro, O Predador e a animação japonesa Akira (nenhum deles com faixa etária propria para nossa idade, rsrs).  Meu irmão e primos me aterrorizavam criando lendas urbanas ao redor dos três temas e se aproveitavam da velha casa em que moravamos para criar o clima perfeito de terror, com bonecos sem cabeça escondidos na relva e sombras que se transformavam em mutantes invisiveis. Eu devia ter ficado traumatizada com a maldade deles, mas....

3 - Minha iniciação aos livros veio através dos gibis que os mesmos colecionavam,  numa época em que estava aprendendo a formar palavras em frases. Como eu era muito impaciente, minha mãe me ensinou a ler antes que eu entrasse no jardim de infância. Posteriormente, os livros disposto na prateleira da estante deixaram de ser enfeite para mim e descobri uma caixa de livros velhos do meu pai no quartinho dos fundos. Juntei os dois a minha vontade cada vez mais avida de ler e fui montando minha propria biblioteca de livros, mangás e HQ's. Não tenho um autor favorito, e apesar de ter 21 livros do Stephen King, ele não chega a ser isso, embora tenha me influenciado muito por ter sido o que mais li do gênero durante minha adolescencia e me indentifique com seu modo peculiar de descrever as coisas, além de sua 'elefantiase literária' (rs, prolixidade). Também adoro Machado, Lispector e Poe, entre muitos e muitos e muitosss....outros.

4 - Aprendi a usar maquina de escrever aos 7 anos quando meu pai adquiriu uma para escrever um livro de memórias. Aos 12 comecei a escrever meu primeiro livro. Escrevi muito (muito) dele, mas não foi concluido, pois tenho uma incrivel capacidade de "agigantar" as coisas, rs, e nessa época não sabia controlar isso. Porém, isso me ajudou bastante a aprimorar minha escrita, a saber o que estava fazendo de errado, a destilar meu gosto pelo fantastico, principalmente por anjos e demônios e criaturas de mundos intermediarios. Minha maior influencia nisso (e na época em que iniciei minha escrita), foi a minha hq favorita (e a que mais tempo passei colecionando): Spawn - O Soldado do Inferno.

5 - Adoro rock e musica dos anos 80 (influencia do meu brother), adoro musica clássica (influencia da minha mãe) e jazz (dos meus primos). Já fui roqueira do tipo de andar de preto e cabelo vermelho, já tive um tempo quase gótico, mas hoje eu me expandi mais e gosto de variações desses estilos musicais, predominando ainda o bom e velho rock. Mas agora eu já gosto de cores (rs). Na verdade, o meu gosto por artes e pintura também influenciou a sair do periodo 'dark', e hoje tudo ao meu redor é muito cheio de cor (com ou sem pudor, rsrs). Isso também se reflete na minha mania por customização. Não consigo usar quase nada padronizado.

6 - Fiz faculdade durante 5 anos. Comecei num curso de Informática, no qual fiquei durante 2 anos, sem conseguir me adaptar. Fugi quando me deparei com a bizarra linguagem de programação em Java, pois não tenho cabeça pra pensar em coisas lógicas. Migrei de curso, e me formei em Gestão Empresarial com enfâse em Comércio Exterior ano passado. Meu TCC tinha como tema a Índia, pois adoro explorar outros países. Adoro linguas estrangeiras, arranho um pouco inglês, do qual com certa constancia (kkk) tenho estudado, acho espanhol cansativo e tedioso, e faço um esforço para continuar o francês (tá que vai ser uma lingua morta daqui ha alguns anos e me digam que eu devia mesmo é aprender mandarim, pois a China estará dominando tudo na próxima decada, mas eu ainda prefiro a beleza e poesia à realidade, rs).

7 - Trabalho para o  Detran de São Paulo há mais de um ano quando sai do meu estágio da faculdade num escritório de engenharia civil. Descobri que acreditei numa lenda incrível: funcionário publico ganha bem e não faz nada. AH-AH-AH! Eu não TT_TT....(sniff...)
Anexo ao 7: Quero comprar uma moto, porque não aguento mais passar minha vida perdendo tempo dentro de ônibus.

É isso ai! :D
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...