sábado, 29 de maio de 2010

Passatempo

Essa semana estou de molho, extrai um dente de siso meio complicadinho, mas que enfim disse adeus a minha boca ^^, como não podia comer, nem fazer muito esforço no primeiro dia e meio, fiquei assistindo uma batelada de filmes ñ recentes que tenho amontoados numa caixa. Por alguns eu corri os olhos até me lembrar que não eram uma boa pedida e partir para o próximo, outros me empolgaram, lembrando-me de como eram bons. Mas como não aguento ficar o dia todo fazendo uma única coisa, quando me cansei de fica estirada assistindo filmes, resolvi fazer alguns micro trechinhos sobre eles:

Endiabrado (Bedazzled, 2000)
Esse filme é velho, daqueles que passam nas sessões de filmes de tv, e a primeira vez que o vi foi num horário da Globo próprio para filmes B, mas esse horário é curioso, pois reserva algumas surpresas, com perólas no meio das tranqueiras habituais. Esse filme me surpreendeu pela sinceridade. Para você o que é ter uma vida perfeita? Dinheiro, sucesso, fama, o amor da sua vida ao seu lado sempre, poder ser tudo o que ela quer mais do que você quer, uma pintura de vida perfeita. Se você tivesse 7 chances de mudar sua vida o que pediria? E porque 7, se você pode ter uma vida perfeita na primeira tentativa. Será? Esse filme mostra o quão tortuosos podem ser o caminho de quem quer alcançara perfeição através de desejos óbvios de grandeza, sem perceber que a vida perfeita está justamente no cotidiano cheio de imperfeições.

Vanilla Sky (2001)
Só revi o começo para me lembrar o quanto esse filme é perturbador e intenso. Como estava querendo coisas mais leves para me entreter ontem, não rolaria assistir algo tão abstrato como Vanilla Sky (aquele em que a Cameron Dias é uma namorada louca e ciumenta e acaba se matando e deixando o Tom Cruise (quem diria) com o rostinho deformado, tendo que usar uma mascara boa parte do tempo e depois disso as coisas passam a ficar bastante complexas). Precisa de muita atenção de quem assiste, pois ele dá muitas reviravoltas complicadas. Te deixa pensando por vários dias.
 
O Orfantato (El Orfanato, 2008)
Esse filme é lindo. E triste. O final é tão chocante que carrega muito mais drama do que suspense ou terror. A trama é tão intensa que não dá pra desgrudar os olhos um minuto.
Ele me lembra outros filmes que assisti, como A Espinha do Diabo (outra pérola surgida das sessões de filme B da Globo), e as 2 edições da HQ Spawn institulada como Sete Fantasmas e Meio. E é uma boa lenda urbana sobre o tema casa assombrada.
Imagine que numa casa assombrada, os fantasmas não querem te fazer mal. O que eles querem é apenas serem ouvidos, e compreendidos. Imagine que se o que eles parecem fazer for entendido como maldade, na verdade é um pedido desesperado por ajuda ou companhia. E que se eles precisarem te levar a morte para que isso seja feito, será feito.
Casas assombradas por crianças são muito peculiares (nesse caso um orfanato) crianças são muito mais assustadoras que fantasmas adultos. E inocentes. O que elas fazem nem sempre é racional, as conseqüências não são medidas da maneira correta. Elas podem matar um amigo sem querer, deixando-o sozinho na praia sem saber que ele poderia se afogar. Por essa inocencia, os atos de uma criança e seu sofrimento são mais dolorosos e dramaticos, por não perceberem o quão longe elas podem ir apenas por terem se aborrecido e quererem um tempo sozinhos no porão da casa. Um tempo que pode durar a eternidade.  E o que elas fazem para chamar a atenção, mesmo depois de mortas éainda mais lindo e assustador.

A Cela (The Cell, 2001)
Um psicopata esquizofrênico, uma vitima desaparecida, uma série de crimes bizarros. A Cela não é apenas um thriller sobre assassinatos seriais (ou apenas um filme protagonizado pela  belissíma Jennifer Lopez, que alias dá um ar forte e ao mesmo tempo maternal a trama), mas sobre a mente humana e o quão perturbada ela pode ser. Esse filme me remete a serie Criminal Minds e ao jogo Silent Hill 4. Criminal Minds pela tentativa de se entender a mente de um criminoso e o que o leva a cometer os seus atos violentos. Em A Cela, este método é mais interessante e futurista (se não surrealista), onde duas pessoas se submetem a um método onde um deles analisara a mente do outro por dentro. Literalmente. Que tipo de coisas loucas nossa mente pode criar abaixo da superfície da consciência, onde a verdade está escondida entre os fantasmas do passado?  Em A Cela, o passado na mente do criminoso é materializado por seu EU eternamente infantil, sua parte inocente que sofreu e se transformou no adulto de alma deformada e homicida. No Silent Hill 4, o psicopata Walter Sullivan também manifesta sua parte inocente em seu EU infantil, um eu que contrariando a maldade da sua parte adulta, quer solucionar a questão e voltar a ficar em paz.

Fim dos Tempos (The Happening, 2008)
Outro que mal passei dos 10 minutos, pois me lembrava bem o quanto ele deixava a desejar. Parece uma história boa no começo (pois é, por isso eu não passei do começo dessa vez, ahahah), intrigante, meio pertubadora, mas...a evolução é terrível, o casal principal também não orna e o final péssimo nos leva a pensar que o diretor ficou subtamente entediado do enredo e descambou para um romance sem graça como finalização. Esperava mais Shaymalan!

Ufaaa.....acho que essa foi uma boa anestesia para aquela dorzinha chata dos pontos na gengiva, quando vi o dia ja tinha acabado e ja estava na hora de tomar novamente aquele antibiótico de 12 em 12 horas. Mas hoje tem mais, ehehehe.



terça-feira, 25 de maio de 2010

Desempoeirando





















Depois de soprar o pó, encontrada uma raridade dos tempos em que ainda fazia faculdade de informática e aprendi a usar minha paixão pela arte de uma maneira diferente e moderna. Esse foi um trabalho oficial de Computação grafica, minha materia preferida de informática (e pena, durou muito pouco),  que se lembro bem, adorei fazer (e adoraria fazer novamente, se fosse hoje). Flyer, Folder e Layout de web feito sob pedido de um outro aluno da sala (o 'cliente'). No meu caso tive a sorte de pegar um 'cliente' que disse que eu poderia fazer sobre o que quisesse, então decidi fazer sobre algo que gostava, um encontro para amantes do gênero terror parecido com as convenções de animes que gostava de ir na época (bons tempos em que  eu tinha tempo, rsrs), o resultado foi o ficticio Encontro Gore 2008 em que pude ficar dias e horas fazendo algo que realmente gostava (arte, terror, criação) do jeito que queria. Guardo até hoje esse trabalho com muito carinho, foi uma das melhores coisas que fiz naquele curso.

 

By Beronique

domingo, 16 de maio de 2010

Do domingo

Algumas coisas dos ultimos minutos desse domingo especial:


Me embreagando com o novo album do Creed, Full Cicle (2009), bom demais!!! 12 musicas do bom e velho rock crediano, ahaha!!

01. Overcome
02. Bread of Shame
03. A Thousand Faces
04. Suddenly
05. Rain
06. Away in Silence
07. Fear
08. On My Sleeve
09. Full Circle
10. Time
11. Good Fight
12. The Song You Sing




Seguindo uma biblia das artes (presente amado e perfeito de aniversario *.*), o "501 Grandes Artistas" que me levou para a Escola Austral de Paisagens, nas dinastias do oriente, com paisagens muito inspiradoras de quase mil anos atrás, que nos remetem não apenas a um jogo incrivel de perspectiva e profundidade, mas a uma vista que nos faz ver através de muitos séculos.



E uma pizza portuguesa, com sobremesa de petit gateau e um passeio pelas ruas solitarias e descontruidas da cidade bagunçada do final da noite do fim de semana, uma entrada pelo bosque solitario da cidade, nebuloso, frio e silencioso, com medo dos velhos e mal encarrados guardas por travessuras passadas, rs, e depois...a volta repentina e uma preocupação que ficou e deixa meu pensamento meio longe daqui, mais precisamente num terminal frio de SP, com alguém que vai dormir ao relento para tentar se superar. Boa sorte, nos sonhos espero estar ai!

Boa noite!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...