domingo, 14 de setembro de 2008

Um filme divertido!



Para os que curtem cine de horror dizer que um filme é divertido não quer dizer que ele seja engraçado e sim legal de assistir. Assim vi A Casa de Cera (House of Wax) de 2005. Produzido pela Dark Castle, criada na metade do anos 90 para ressucitar filmes de horror B de antigamente, sem muito sucesso, diga-se de passagem, e que fez algumas tentativas com A Casa da Colina (explendidamente arrepiante nos 30 primeiros minutos, bem clássico mesmo, achei que enfim estava assistindo a um remake fiel, mas que depois cai nas picaretagens do cinema moderno, com sustos banais e efeitos especiais pavorosoooooosss), Navio Fantasma (se pudessemos dizer que um filme é bom por partes, esse seria muito bom, mas no geral ele é mediano, mas não deixa de ter uma trama interessante) e 13 Fantasmas, entre outros...Nenhum desses atingiu o minimo de sucesso que a produtora esperava e quando eles acharam que estavam indo pro buraco....eis que refilmam um filme que iria pra frente



Foi um filme que superou minhas expectativas de ver só mais uma produção de adolescentes com um serial killer a reduzir o elenco aos mocinhos no final. De fato o elenco é constituído de adolescente e a história inicialmente é meio típica, os amigos se reúnem pra assistir a um jogo e resolvem acampar no caminho, então um carro estranho os aborda e da mesma maneira misteriosa com que chegou se vai (convenhamos que a garrafa atirada em um dos faróis pelo mau encarado Chad Michael Murray ajudou um pouquinho, rsrs). No dia seguinte um dos carros da turma amanhece quebrado e eles se dividem entre os que vão tentar ainda assistir o jogo e os que tentarão consertar o carro. Apesar dos clichês convencionais desse tipo de história, e de se utilizar uma idéia já antiga do famoso museu de cera numa cidade perdida e abandonada, o filme não deixa a desejar, e há vários aspectos que o tornam interessante (como a genuína animação, entrosamento ou desentendimentos dos personagens) e bizarro (quem não ficou aflito quando a mocinha caiu sem dó naquela vala de carcaças de animais? ugh! Ou apreensivo com a carona do tipinho repulsivo que ‘administrava’ a tal vala até a fatídica cidade da Casa de Cera). A inocencia com que o casal da trama explora a cidade atrás de ajuda é algo que nos faz lembrar de coisas boas (de verdade, como um passeio da infância ou lugares por onde você passou), é tão real e simples que você até chega a ficar triste em saber que dali pra frente a tendência é deles só se ferrarem (embora achem que conseguirão ajuda, na verdade a cidade esta vazia e os habitantes que aparentam morar nela são cadáveres transformados em bonecos de cera...é uma mistura muito boa do verídico com o teatral, como se estivéssemos dentro de uma enorme (bonitinha no começo, mas horrenda no final) casinha de bonecas). Numa cena flash-back no inicio do filme, somos apresentados aos futuros serial killers da história, dois irmãos que sofrem maus tratos na infância (o berço da maioria da psicose homicida). Um está mais perto da aparência ‘normal’ e engana o casal mostrando boa vontade em ajudar, o outro tem o rosto deformado e se esconde nas trevas, é ele quem confecciona os bonecos de cera (principalmente os feitos com pessoas vivas!) no subsolo da incrível House of Wax. Parece que aqui temos uma metáfora da criação de formas perfeitas pelas mãos de um ser que se sente imperfeito e tenta se completar de alguma forma. A partir daí começam a matança e o primeiro que morre é o simpático mocinho da trama! É angustiante quando, já transformado num boneco de cera (mas ainda vivo por baixo) vê-se a dor e as lágrimas nos seus olhos quando um de seus amigos arranca um pedaço de seu rosto na tentativa de ajudá-lo a se libertar da mortalha de cera. Outra morte em destaque é da personagem vivida por Paris Hilton, que deve ter agradado a todos que odeiam a patricinha.
O mais eletrizantes do filme é o seu final. Sobram apenas os dois irmãos dentro da Casa de Cera que derrete rapidamente pelo fogo que a consome, eles precisam escapar da casa, cujo chão virou um mar de fogo e cera liquida incandescente e do assassino. Será difícil ver um final tão bom e realista como esse, vejam, a casa era toda feita de cera e em tamanho real!
Apesar de sentir que minha opinião seja leiga perto dos veteranos do cine de horror que podem comparar com produções antigas abordando o tema bizarro do museu de cera, para mim é um dos melhores filme pipoca sobre adolescentes dos últimos tempos e sempre que quero me divertir um pouco dou uma repassada em House of Wax.
Ah, na última cena do filme, onde tudo acaba ‘bem’ (os dois sobrevivem no final e a policia e médicos aparecem para socorre-los, sem que ninguém saiba de onde eles surguiram, mas sempre acontece assim), os dois estão indo embora na ambulância e olham para a câmera que a turma inicial gravara seus momentos durante a viagem, a mocinha diz que ali teriam muitos momentos bons para relembrar, com uma nota de saudade dos amigos mortos. Porém, se ela preferia lembrar dos momentos bons seria melhor não ter pego aquela câmera, que foi usada pelo assassino para filmar todas as mortes, com requintes de uma crueldade fria e sarcástica. Rs.........

0 deixaram suas impressões :

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...